Entrevista Com A Banda Red Chords



em 05/08/2003 por RecifeRock.com.br

desenho: divulgação (por Luciano Félix)

entrevista feita pelo site parceiro: NATALCORE – http://www.natalcore.kit.net

[por Leandro do NatalCore]

1) Para começar, a velha pergunta clichê em todas as entrevistas: Como e quando começou o REDCHORDS?

Pra falar do surgimento do Red Chords, não vou precisar contar nenhuma história surpreendente, a banda surgiu em meados de 2001 durante um show do Holle tree, onde 4 amigos que já tinham bandas resolveram se juntar pra tirar um som. Passaram um tempo tocando, fizeram alguns shows até que decidiram que precisavam de um vocal, pois até ali era o baixista quem cantava, então durante um congresso da UNE em Goiás eu fui convidada a fazer um teste no Red Chords e aqui estou até hoje.

2) Os integrantes da banda possuem outros projetos no underground?

Sim, Eduardo (guitarra) e o Fred (baixo) tocam no Subversivos, Cláudio (guitarra) toca baixo no Hi-Fi e eu sou vocal e baixista do Physalia.

3) O que o pessoal da banda faz para se “virar na vida”, tipo, em quê estudam, trampam…?

Eduardo é formado em designer gráfico, O Fred estuda direito, economia e é professor e diretor de uma escola de línguas, o Cláudio é prof de inglês também, O André mexe com trabalhos gráficos, e eu sou formada em turismo, e estudo música.

4) Percebi que aí em recife, as bandas desse gênero, o famigerado “pop-punk”, preferem fazer as letras em português… Porém, o REDCHORDS parece ser a ovelha negra pernambucana e têm todas as suas letras em inglês… Fale um pouco do porque de cantar em inglês, tendo visto que nem todas as pessoas dominam essa língua estrangeira!

Essa pergunta deve ser a predileta dos sites, hehe, Bem além de ser um gosto da banda, temos muita facilidade de compor em inglês, também temos música em português e não temos nada contra, adoramos a língua portuguesa.

05) Mas você não acha que a mensagem que vocês querem divulgar pode se tornar de difícil acesso ao público?

Não. Nosso site e nosso cd, tem traduções de todas as nossas músicas e as levamos para os shows também no caso de alguém querer dar uma sacada ou trocar uma idéia.

6) Nesse início de século, o que vocês pensam a respeito do “mundo da música independente”, já que participam de uma banda e estão, quer queira ou não, inseridos no underground?

Bem, acho que se todas as bandas se unirem para organizar seus próprios shows e estiverem unidos na luta pelo espaço a cena só tende a crescer, e com isso todos nós ganhamos mais lugares e oportunidades para mostrar nossa arte.

7) No encarte de vocês vi que vocês se auto-intitulam uma banda “pop-punk”, o que seria isso exatamente ou perto disso? Vocês não acham que “pop” e “punk” são, por si só tão, antagônicos de mais, em relação a ideais, metas e posturas, a ponto de ser impossível haver alguma ligação entre eles?

Você acredita que até hoje eu ainda não consegui rotular o Red Chords?! Não sei qual o estilo que tocamos, só sei que tem um pouquinho de tudo, rock, pop, punk, ska, hardcore, post hardcore, daí esse título “pop punk” quer dizer que nós nos posicionamos como banda seguindo a linha punk, e nossas melodias tem um Q pop, simplificando, melodias bunitinhas como todo pop pede.

8) Falando ainda um pouco a respeito da pergunta anterior, o que vocês acham dessa febre CPM 22, BLINK 182, que são bandas, que segundo eles mesmos e a mídia, são “pop-punks”? Vocês vêem isso com bons olhos?! PERGUNTEI ISSO, POIS NA BELÍSSIMA LETRA DE VOCÊS, INTITULADA “TEENAGE RAIN”, VOCÊS FALAM SOBRE ESSA “ONDA”, ESSA “FEBRE” NO CENÁRIO UNDERGROUND NACIONAL, COM TANTAS BANDAS FALANDO A MESMA COISA, SE VESTINDO DA MESMA FORMA… PELO MENOS, FOI O QUE EU PERCEBI LENDO OS SEGUINTES TRECHOS: …”eu não acredito nessa cena”…”perdendo a identidade, isso é hardcore?”…”não há nada de novo”…”eu ainda odeio essa música…” . Finalizando a pergunta, como é o estilo único e verdadeiro de tocar hardcore que o REDCHORDS têm?!

Antes de qualquer coisa, completando a letra:

…Perdendo a identidade, isso é hardcore? as bandas escrevem sobre as mesmas coisas não há nada de novo…

…Eu ainda odeio essa música que escrevi em casa porque ainda não é um poema…

Bem, eu fiz questão de completar essas linhas para que não ficasse nada mal compreendido, em primeiro lugar, queria dizer que respeito muito o trabalho das bandas tanto daqui de Recife como de outras cidades, mais algumas bandas (muitas que já estão na mídia) perdem a chance de fazer músicas diferentes e interessantes porque se prendem a padrões, e acabam não se expressando verdadeiramente para seguir uma linha criada pela mídia apenas para alimentar o consumo, no meu ponto de vista uma música verdadeira é aquela na qual a banda é sincera, no entanto podem ser de amor, de política, de história, contanto que saiba usar a liberdade de expressão para passar uma mensagem na qual o músico acredita. Pra completar se você quisesse me perguntar qual seria o estilo de música que eu condeno, eu diria que é aquela que reprime, desrespeita e que utiliza os meios de comunicação como forma machista, sexista e preconceituosa.

9) Tipo, qual o rumo que vocês acham que o underground/punk/hardcore/indie, irão tomar, pelo menos, para essa primeira década?!

Acho que tem tudo para avançar, principalmente com o fim dos monopólios fonográficos. É nosso dever destruir esses parasitas das grandes gravadoras, promovendo nossos selos , nossos shows, nossa própria arte. Isso é o avanço das forças progressistas, entre elas o punk.

10) “EMO”: O que pode ser dito a respeito dessa famosa palavra que está mais do que em evidência ultimamente?! Realmente existe?! Há quem fale que foi a mídia, que, vendo a crescente ascensão de algumas bandas “melódicas” e percebendo que a cada dia o público dessas bandas estava aumentando, resolveu criar mais um “rotulo acessível” para poder vender mais e mais… Há quem diga que é só uma maneira de intitular mais uma vertente do “punk”…Há realmente várias opiniões a respeito…O que vocês acham disso tudo?

Eu acho muito chato ficar rotulando as bandas. O estilo existe claro, algumas bandas gostam de ser “EMO” e outras não. A mídia é uma das principais responsáveis pela criação de rótulos, pois é ela quem lucra com todo o resultado final.

11) Agora, queria falar um pouco mais a respeito das letras do REDCHORDS… Percebi que vocês possuem letras com bastante cunho social, como a bela faixa que abre o cd chamada “Communards” e a seguinte “Socialist echoes”… Vocês têm a intenção de atingir os garotos e garotas que escutam o REDCHORDS de que maneira?

Claro que queremos atingir as cabeças das pessoas, mas não só isso, queremos atingir também seus corações, pois afinal é aí que começa qualquer sentimento de rebeldia e solidariedade. A arte tem essa função social, nossa música obedece a essa lei social em que todos se posicionam. Você pode usar sua música e arte tanto para alienar ainda mais as cabeças ou pode usar de forma positiva, esclarecendo ao mundo suas responsabilidades.

12) Nas músicas “home of the free” e “stalingrad”, percebi letras totalmente “socialistas”, onde vocês descrevem um pouco da luta socialista soviética do inicio do século passado, porém, senti um pouco de patriotismo e nacionalismo nelas, principalmente no trecho: “…ideais socialistas protegem a pátria, levantando a bandeira com o orgulho que tem”. O que vocês dizem a respeito disso?! Vocês são patriotas?! Esse é um sentimento sadio?!

O “patriotismo soviético” era sinônimo de “internacionalismo”, ou seja, você amar a luta da classe operária em todo o mundo. Não há como você lutar pelo socialismo sem lutar por toda a humanidade independente de paises. O hino soviético até a 2 guerra era “A Internacional Comunista” escrita por um belga em solidariedade aos trabalhadores de todo o mundo, isso foi um exemplo de internacionalismo. Portanto um soviético tinha todos os motivos para se orgulhar de sua pátria socialista, assim como um cubano hoje também tem esse orgulho, o internacionalismo. Diferente dos americanos que levantam um patriotismo doentio imperialista. Defender o socialismo é também defender todos os paises socialistas! Isso é o patriotismo socialista e portando somos patriotas!

13) Na letra “drinks all the time”, o REDCHORDS expressa um pouco do sentimento e da filosofia “straight-edge”… Há algum integrante do REDCHORDS que é straight-edge ou a banda toda é sxe? E o que isso significa para os não-sxers da banda?!

Só o baixista Fred é sXe, essa música foi escrita por ele e se ele é sXe não preciso responder onde ele foi buscar essas concepções, mas mesmo assim como a música fala: “…alguns dizem “respeito” Alguns dizem “rejeito” mas essa é sua escolha…”

Cada um escolhe que tipo de vida quer levar, beber ou não beber, é uma escolha pessoal.

14) ixxxxxi, acho que já foi o suficiente, aproveitem para se despedirem e fiquem a vontade, o espaço está aberto!!!

Queria agradecer pelo espaço e dizer que é muito bom encontrar sites que falam da cena e de bandas undergrounds, valeu pela força e qualquer coisa quem quiser entrar em contato ou trocar uma idéia a nossa page é www.redchords.cjb.net ou mandem um mail para redchords@hotmail.com

Links:
» Red Chords no RecifeRock

——–

Posted terça-feira, agosto 5th, 2003 under Notícias.

Comments are closed.