Vamoz! no Sábado Mangue

CLIQUE AQUI para abrir a janela pop-up com as fotos do show
VAMOZ! NO SBADO MANGUE
data: 12/09/2003 (Sexta) – local: Pátio de São Pedro
com Vamoz!
Resenha por Hugo Montarroyos – Fotos por Bruno Negaum e Guilherme Moura

Vamoz! “introduz” Neil Young na cena pernambucana.
em 12/09/2003 por Hugo Montarroyos

Há uns dois meses, Guilherme Moura perguntou-me se conhecia o Vamoz. Não satisfeito, ainda acrescentou dizendo que a banda era “do caralho”. Fiquei puto por dois motivos. Primeiro porque, tenho que assumir, detesto quando alguém cita alguma banda que desconheço. Segundo, e pior, quando o grupo em questão leva o rótulo “do caralho”.

Pois bem, dias depois, no pátio de São Pedro, antes da apresentação dos Astronautas, conheci Marcelo Gomão, guitarrista e vocalista do Vamoz. O cara foi educado, receptivo e gente fina. Aí, meu amigo, fiquei desconfiado. A essa altura do campeonato muita gente já tinha me falado sobre o Vamoz. E, sabe como é, quando a propaganda é demasiada, fico logo com um pé atrás.

Enfim, durante o percurso de carro até o Pátio de São Pedro, Guilherme coloca o CD dos caras para tocar. Logo na introdução, antes de entrar o vocal, pergunto se era o novo do Neil Young. Não era… tratava-se do Vamoz mesmo. Comecei então a quebrar um dos dez mandamentos do crítico de música. Criei uma expectativa. E isso, acreditem, é extremamente perigoso.

Chegando ao Pátio, a surpresa. Alpha Petualay (é assim que escreve?) já estava em ação, para azar dos meus nervos. O público (basicamente composto por pessoas que não tiveram coragem de desembolsar 60 paus para ver o Deep Purple) parecia bastante entusiasmado com a apresentação da moça, que é uma versão mais magra e rastafari da Tracy Chapman. Como sou insensível, não gostei do show, achei todas as músicas iguais e, pior, senti um calafrio na espinha quando ela voltou para o bis. Acho que São Pedro também não gostou, pois foi só o tempo da apresentação dela acabar para o pároco “desabafar” em forma de chuva.

Pontualmente às onze horas e trinta minutos da noite o Vamoz começou seu show, abrindo com a linda “Beside”. A formação do grupo por si só já chama atenção. Duas guitarras, bateria. Ou seja, não existe baixo. no palco, os meninos parecem incorporar o espírito do Crazy Horse, banda de apoio de Neil Young. Fiquei de queixo caído. Finalmente tinha encontrado, em plena cena pernambucana, a banda que eu queria ter formado. Influenciados por Neil Young, Wilco e Teenage Fanclub, os caras fazem um som consistente, gostoso de ouvir, sem frescura ou virtuosismo. Aqui e ali eles arriscavam-se no Blues e, coisa rara, assumiam erros. Em determinado momento do show, Marcelo Gomão disse em alto e bom som “Alguma coisa está desafinada aqui. Deve ser eu!”. Era o espírito de Neil Young em pessoa. Os caras tocam com a mesma naturalidade de quem está ensaiando, deixando a impressão de que estão participando de uma “jam session”.

Acompanhados pelo ótimo e econômico teclado do convidado Leo D, o Vamoz ainda arrasou (no bom sentido) com uma versão para uma música do Jon Spencer Blues Explosion, que, confesso, demorei a reconhecer.

Músicas como “Fire Baby” e “Beside Infinite” são a prova concreta que a alma do rock reside mesmo na simplicidade (não confundir com descaso, por favor). Faltava uma banda como o Vamoz na cena local. Só não comprei um CD deles depois do show porque a bolachinha estava sendo vendida por 10 reais. E eu, como todo jornalista que se preze, só possuía 9 reais na carteira.

Clique na foto abaixo para abrir a PopUp com as fotos do Vamoz! no Sábado Mangue:

CLIQUE AQUI para abrir a janela pop-up com as fotos do show

Links:
» Vamoz! no RecifeRock

——–

Posted sábado, setembro 13th, 2003 under Coberturas.

Comments are closed.