Entrevista com Dominatrix – Parte 2

Dominatrix - fotos divulgação

em 12/12/2003 por RecifeRock.com.br

Parte dois da entrevista com a banda DOMINATRIX (SP)

Entrevista cedida pelo site Hard Grrrls (http://www.hardgrls.kit.net)

9- O que se fala no diálogo logo no começo da música “Homophobia on a Tray”?Quem é que fala? É de algum filme ou elas mesmas gravaram? O que significa (ou o que é) a foto da capa do CD ‘Self Delight’? é você mesma quem canta na música “Suburbia 1986” do Dance of Days? E “Astro Boy” ? [Beta]

Elisa – O diálogo é de um filme que chama ¨Submundo das Ambições¨. A gente achou interessante esse diálogo, tinha a ver com a música. O cara diz: ¨Então, você me largou pra ficar com ela?¨ e a menina diz ¨Não, eu te larguei porque estava com problemas emocionais¨ e ele diz ¨Ela te seduziu?¨ e ela diz ¨Ninguém seduziu ninguém, a gente tava assistindo um filme e…¨

A capa do ¨Self Delight¨ é minha mão e a de uma amiga, uma coisa pra simbolizar a idéia do primeiro disco ¨Girl Gathering¨ e dizer que ainda continuávamos com o ideal de união das meninas. Não canto nenhuma música do Dance Of Days, quem cantou no disco deles foi minha irmã ex e eterna baixista/vocal do Dominatrix, Isabella.

10- Nas letras dos primeiros CDs, vocês falavam em “novos padrões de idade”, e que “não queriam se aposentar aos 20”, pois como muitos adolescentes sentiam que sabiam o que queriam, quem eram, e não aceitavam o preconceito do sistema dominado por “homens brancos adultos e hetero”. Mas agora vocês já passaram dos 20…O que mudou?Acho que hoje em dia nossa sociedade é meio “neófila”, todos têm uma obrigação de eterna juventude, ninguém arruma trabalho depois dos 40, e chegando ao desrespeito contra os idosos, enquanto outras sociedades (indígenas, orientais, etc.) enaltecem seus anciãos. Continuam apostando nos “New Age Standards” ? [Tathiana Bagatini]

Elisa – Ótima pergunta. Na verdade, essa letra é uma resposta ao que nossa família e muitas pessoas da cena punk/HC diziam da gente: que em pouco tempo ¨perceberíamos que essa revolta política passaria e que era uma coisa de adolescente¨. Queríamos dizer que ser uma feminista adolescente não quer dizer que estávamos seguindo moda, comportamento típico de pessoas dessa idade. Nós éramos/somos feministas desde cedo porque era/é uma questão de sobrevivência, era/é de onde tirávamos nossa força pra enfrentar piadas machistas, restrições misóginas etc. Sobre a sociedade neófila, entendo e concordo com o que você falou. O Brasil é um dos piores países para se envelhecer. Enquanto nos EUA e Europa os idosos são ativos, exercem atividades físicas e culturais apoiados pelo governo e pela sociedade, aqui eles são simplesmente jogados à própria sorte. Um país que não cuida de seus idosos é um país que não cuida de sua memória. O brasileiro toma decisões políticas terríveis por simplesmente não se lembrar (ou não se importar) com quem é quem.

11- Dominatrix veio tocar em Maringá – PR, que é onde eu moro, há alguns anos atrás. As meninas se beijaram no palco e a resposta do público não foi das melhores, ou seja, vaias, palavrões e essas manifestações ignorantes. Por isso, disseram que nunca mais viriam tocar aqui. Eu não vi o show, mas gosto muito da banda e queria muito que elas voltassem. Por que vocês tomaram essa decisão? Afinal, é impossível agradar a todos, e assim como tem gente que não gosta de bandas femininas, tem gente, como eu, que ama, e merece a atenção de vocês. [Rannah]

Elisa – Rannah, não lembro quem se beijou no palco, mas tudo bem. Nunca dissemos que não tocaríamos. O único problema que tivemos em Maringá foi que a polícia entrou no show atrás de menores de idade e subiu no palco e mandou a gente parar de tocar. Ainda este ano planejamos uma turnê e com certeza Maringá é uma cidade na qual queremos tocar. A única vez que dissemos que não voltaríamos mais pra uma determinada cidade foi a muito tempo atrás, por motivos de segurança, pois fui seriamente ameaçada por um rapaz pela minha postura feminista. Mas hoje até voltaríamos pra essa cidade.

12- Por favor, temo que minha pergunta seja censurada, mas gostaria que a liberdade de expressão fosse contemplada. Em entrevista para a Revista E, do Sesc, Elisa disse achar super válido ser espelho para muitas meninas, orientando suas condutas. Gostaria de saber se isso condiz com o A de anarquia estampado no 1º CD da banda. Ser líder é ser anarquista ? [Fabíola]

Elisa – Adorei a pergunta. Procurei essa revista na minha casa pra ver EXATAMENTE o que estava escrito mas não achei. Enfim… Do ponto de vista antropológico da formação do caráter de cada um, todos sempre tem alguém pra se espelhar. Ninguém se forma ou se inspira apenas em si mesmo. Eu mesma sou fragmentos de pessoas, da minha família, ídolos, acontecimentos etc. Qualquer um é. Eu tento, com a banda, passar mensagens feministas de encorajamento, de não-opressão. Em nenhum momento desejei ser líder de ninguém. Se de alguma forma o Dominatrix realmente orienta algumas meninas a não serem idiotas e dominadas pelo patriarcado, realmente acho SUPER VÁLIDO orientar pessoas. Melhor orientar pro feminismo do que pra alguma coisa estúpida. Resumindo, melhor orientar alguém a algo positivo do que não orientar ninguém a nada. Me tornei feminista por orientação de pessoas, livros e do Bikini Kill. O mundo está entupido de pessoas aptas a orientar milhões de pessoas a fazerem coisas idiotas, vide Bush. Na minha opinião, uma feminista tem que sempre estar apta a orientar também. O anarquismo sempre teve orientadores, aliás. E ALGUNS líderes equivocados também.

13- Vocês vêem esse ano ainda aqui pra Sergipe-Aracajú? Pleeeaassseee venham mesmo, adoro vocês!!!! [Camila]

Elisa – Sim. Temos show em Aracaju dia 6 de dezembro com o The Haggard (EUA). Vamos fazer turnê pelo Brasil todo. Mais pra frente você pode acessar o local no www.clorinerecords.hpg.com.br. E obrigada pela atenção!

14- A mídia machista geralmente impõe padrões estéticos para as mulheres. O que vocês tem a dizer sobre o preconceito em relação as mulheres que não se encaixam nestes padrões ? [Samuel da Costa]

Elisa – Em cada época, existe um padrão de beleza. Geralmente os valores estéticos vigentes negam os anteriores e sempre representam os interesses masculinos. Acho que agredir uma mulher por ela não se encaixar nos padrões é, no mínimo, um ato de insegurança. Acho que no Ocidente as pessoas tendem a se sentir seguras agredindo os outros, ao invés de refletir sobre si mesmo. Se você é inseguro, o ideal seria tentar se aprimorar de alguma maneia, e não agredir. Já é sabido o quanto essa insegurança, fruto do consumismo, causa violência. Pra mim, é melhor encorajar uma mulher a não se preocupar com padrões de estética do que convencer um cara a não agredir. Ela sabendo se defender já não permitirá agressão. Apenas ensinar o homem a não agredir é vitimizar a mulher. Precisamos de meninas fortes e seguras.

15- Tenho dois cds de vocês: o Girl Gathering e o Split Bike, com Dance of Days, e notei que o som de vocês mudou muito. Como vai ser esse novo cd? [Larissa]

Elisa – Esse novo cd segue a linha sonora do Split Byke: guitarras mais elaboradas, letras e vocais idem. A mensagem feminista universal é linda demais, é inspiradora. No Dominatrix pensamos assim: se o feminismo salvou nossa vida, devemos nossa vida a todas as mulheres que morreram para que tivéssemos liberdade. E nossa maneira de retribuir é tentando fazer a música mais linda possível pra carregar essa mensagem. Se conseguimos ou não, isso não importa.

16- Vocês acham que as meninas de hoje estão mais conscientes de seus direitos?

Elisa – Depende de que meninas. Se for meninas brasileiras em geral, acho que estão mais conscientes de seus direitos que suas avós, por um motivo histórico e midiático. Agora, se elas EXIGEM seus direitos é outra história. Todas sabem que é ilegal elas ganharem menos que os homens. Mas elas conseguem se organizar o bastante pra mudar isso? Não. O Brasil tem um problema sério em relação ao grande público respeitar a luta feminista. Acham que é ¨discurso lésbico hippie da década de 60 e 70 que queima sutiã na praça¨. Se querer defender meus direitos é ser chamada de ¨ultrapassada/sapatão raivosa¨ tô pouco me fudendo com o que dizem. O problema é que a maioria das mulheres prefere não ser ¨ultrapassada¨ a se defender do machismo.

17- Quais os planos pro Dominatrix?

Elisa – O Dominatrix vai fazer em novembro essa turnê pelo Brasil com o The Haggard. Ano que vem, faremos outra turnê gringa, desta vez no leste europeu. Em dezembro sai o cd que terá os dois primeiros discos, demos e coletâneas. Isso tudo no campo musical. Estamos nos esforçando muito esse ano no sentido de encorajar outras meninas a tocar e montar bandas. Meu sonho seria ter um estúdio onde meninas possam tocar e fazer música de graça. Mas isso é pro futuro.

18- Aproveitem esse espaço para falarem o que der na telha!

Elisa – Obrigada Hard Grrrls pelo espaço e a todos que mandaram perguntas. Visitem nosso site www.clorinerecords.hpg.com.br para saber da turnê e mandem e-mail pra highlight@highlightsounds.com pra comprar o cd novo. Lembrando sempre que o cd é mais barato em shows do dmx.

Flávia – Pensar nas questões relacionadas à condição da mulher na sociedade e nas mais diversas formas de manifestação relacionadas a esta, é indispensável para a um questionamento coletivo dos papéis sexuais na sociedade. A recusa em se reconhecer a força de transformação contida no movimento feminista é reflexo da própria desvalorização da mulher na sociedade patriarcal, é um produto da ideologia do sexo dominante. O feminismo deve ser reconhecido como o maior movimento político da história. Nenhuma causa engloba potencialmente 50% da humanidade, é um movimento que traz uma possibilidade de transformação social quase impossível de ser avaliada. (MONTEIRO, 1998). A indignação com a ordem sexista dominante e com a manutenção de privilégios masculinos está posta, e o nosso propósito de mudar radicalmente as relações assimétricas entre os sexos, também. Eu tenho esperança de um futuro de dignidade entre os gêneros, ou pelo menos de continuidade desta busca da sociedade que sonhamos, efetivamente democrática e libertária.

Links:
» site Hard Grrrls

——–

Posted sexta-feira, dezembro 12th, 2003 under Notícias.

Comments are closed.