Faixa a Faixa: Mundo Livre S/A – “O Outro Mundo de Manuela…”

Mundo Livre S/A - O Outro Mundo de Manuela Rosário (2003) - Candeeiro Records

Faixa a Faixa
em 14/06/2004 por Mundo Livre S/A

Faixa a Faixa: Mundo Livre S/A – O Outro Mundo de Manuela Rosário (2003) – Candeeiro Records

Por Mundo Livre S/A

01 – Inocência

os perigos e prazeres da vida a dois, numa faixa que traz um groove de violão bem “setentão” temperado com o sofisticado toque da flauta do pernambucano César Michiles. Literalmente, o momento mais inocente do disco.

02 – Digital ao Vinagrete

inspirada numa capa da revista Veja que trazia uma chuva de telefones celulares como símbolo dos benefícios das privatizações, suposta panacéia para todos os males do país. Texturas de bossa nova em contraste com uma letra bem distante do clichê “barquinho e onda no mar”.

03 – Muito Obrigado

Levada certeira de samba e arranjo entortado com alvo definido: o cartório imoral representado pela decrépita Ordem dos Músicos do Brasil. Participação impagável de KSB (Faces do Subúrbio), o mestre dos scratches suingados.

04 – Azia Amazônica

Experimentalismo pop típico do mlsa. A pontuação latina do baixo acústico, ao invés de amenizar, serve antes como catalizadora de uma tensão incontrolável e deliberada entre a veia bossa nova do violão e a pulsão hardcore da guitarra de Bactéria. O tipo da faixa que dá um trabalhão pra mixar. Embalando tudo, a finesse “alta costura” do genial Lúcio Maia. A letra foi escrita imediatamente após uma sessão do blockbuster “Efeito Colateral”, estrelado por Schwarzenegger. Dedicada especialmente à memória de Joe Strummer.

05 – E a Vida se Fez de Louca

(homenagem à minha saudosa prima zapatista): Primeira aparição da enigmática anuela Rosário. Participações especialíssimas de (mais uma vez) KSB e do grande sete cordas Bozó, lenda-viva das rodas de choro do Recife. O lirismo delirante da letra incorpora antigos versos do jornalista e companheiro de boêmia Xico Sá e é reforçado por uma mixagem ligeiramente “jamaicana” – no sentido Dub da palavra.

06- Caiu a Ficha

Lançada na internet em versão demo um mês depois do onze de setembro, aparece aqui em trajes de gala, com direito aos toques ultra-especiais de Pupilo nos samples e da percussão de Nana Vasconcelos. Um missil anti-hipocrisia embalado em atmosfera lounge.

07 – O Triste Fim de Manuelita

Uma daquelas baladas épicas em que a heroína morre no final…participação de Jorge du Peixe tocando uma escaleta mezzo Ennio Morricone mezzo Augustus Pablo.

08 – Embustation (Atitude de C…é R…)

Uma jam concluída no estúdio serve de base para uma sátira a um dos termos mais perversos já inventados pelos ideológos da (má) cultura pop. O Mundo Livre quer mandar pro inferno essa tal de “atitude”…

09 – O Outro Mundo de Xicão Xukuru

concluída no estúdio, a faixa foi aos poucos ganhando a sonoridade mais “mangue” do disco. Remete ao Jorge Ben de Xica da Silva e Zumbi, mas trazendo à tona um personagem oculto de nossa história recente. Em clima de reportagem especial, a tragédia de Xicão Xukuru é narrada com o auxílio da própria vítima. É o primeiro single do disco e conta com o grave poderoso de Jorge du Peixe nos vocais.

10 – Caindo em Si

Sob a harmonia minimalista do violão de Zeroquatro, o contrabaixo acústico de Júnior Areia surge majestoso para não deixar ninguém esquecer que o Mundo Livre tem sangue novo na sua formação. Sequência sombria onde Nick Cave e Jacob do Bandolim dividem amarguras na mesma mesa de bar.

11 – CNFS – Comunicado 2

Faixa pseudo-instrumental, com letra só disponível na página da banda. Um groove arrasa-quarteirão no qual Zeroquatro também atua como repórter, entrevistando seu ídolo Noam Chomsky num assentamento do MST durante o Fórum Social Mundial.

12 – Balada de Pablo e Manuelita

A bateria, gravada no corredor do Fábrica, imprime uma textura fantasmagórica à cena. Flash-back em cinemascope. A verdade sobre nossos heróis pode não estar em qualquer mundo conhecido. Trailer de um filme que provavelmente nunca será rodado.

13 – Marcha contra o muro do império

“Alguma coisa está acontecendo aqui, Mr Powell, e você não sabe o que é”: zero toma emprestado um refrão clássico de Bob Dylan (Ballad of a Thin Man) para comentar as perplexidades do Império. Participações especiais de Lúcio Maia (guitarra) e de Leo D (co-produção e programação de bateria e teclados).

14 – Eisenhower e o Colosso

Era assim que um antigo imperador do colosso do norte chamava a imensa colônia que se estendia na outra ponta da América: “colosso do sul”. De leve, pandeiro marcando o samba, o mundo livre segue a divagar sobre os rumos do gigante eternamente deitado em berço esplêndido.

15 – O Outro Mundo de Xicão Xukuru (Dj Dolores remix)

Dolores abre as janelas do seu estúdio às margens do Capibaribe, respira fundo a brisa que sopra do rio, e parte para reconstruir a epopéia de Xicão Xukuru…

Mundo Livre S/A

Links:
» Mundo Livre S/A no RecifeRock
» Site da Candeeiro Records

——–

Posted segunda-feira, junho 14th, 2004 under Discos.

Comments are closed.