Backstages: Guitarra, Bateria E Rock!

Backstages

‘…é só guitarra e bateria, mas não é White Stripes…’
em 28/10/2004 por Jarmeson de Lima

O Backstages confirma a tese de que o rock tem que ser tocado em alto e bom som. A banda é uma das atrações do show mensal que o Coquetel Molotov promove na próxima sexta (29/10) no Barramundo Social Club, ao lado da The Dead Superstars. Kleber, guitarrista da banda, revela como uma banda com guitarra e bateria pode ser bem mais do que um White Stripes.

Como surgiu a idéia de ter uma banda ?

Apesar de ter experimentado a guitarra primeiro, eu acreditava naquela estória que todo baixista é um guitarrista frustrado e por sua vez tinha o baixo como instrumento oficial. Sendo que sempre nos ensaios com altas bandas que já me meti, eu queria sempre a guitarra e, era sempre vetado. Coisas do tipo : “mermão você é baixista não guitarrista!”. Vez por outra pedia uma guitarra emprestada pra ficar tocando em casa, até para não escutar as “escrotices” citadas acima. Mas não tinha jeito, quando chegava nos ensaios nem arruma o baixo, já queria ir logo pra guitarra mostrar a musica que tinha tirado… “mermão você é baixista não guitarrista”. Chegou um dia que eu me arretei…

E quando viram que podiam se virar sem baixista ?

Na verdade nos tínhamos um baixista muito competente, Tiago, sendo que ele saiu pra se dedicar a sua banda- Se Alice Me Visse Aqui , muito boa por sinal. Aí ficamos ensaiando sem baixo até achar alguém para assumir o posto. Mas faltou demanda. Chegou um dia que a gente se arretou…

É mais fácil ou mais complicado compor músicas apenas com guitarra e bateria ?

Não sei te dizer. Pode até ser mais prático trabalhar em dupla, mas quando se tem outras pessoas dando idéia pode ser mais fácil também… então, acho que seja algo meio relativo, ou melhor, muito relativo. No nosso caso as coisas rolam muito fácil, ainda bem…

A princípio, quem olha a banda, acha que vocês sejam influenciados pelo White Stripes. O que você pode falar das influências da banda ?

É muito engraçado ficar justificando direto: “é só guitarra e bateria, mas não é White Stripes. Não vou usar de demagogia e dizer que não escutamos a banda, pelo contrario, somos muito fãs. Mas somos muito mais fã de Hendrix, Beatles, Nirvana, Led, Jon Spencer, Man or Astroman, Dick Dail …e acho que esses refletem mas o som da banda – ou seria dupla?

Inclusive, o batera Guzz, não se amarra em ser chamado de Meg White, até porque o menino toca muito mais forte…

Como vocês fazem para que as pessoas ouçam as músicas da banda?

Somos meio “vacilões” ou talvez ocupados demais, Guzz mesmo é casado e tem dois filhos, menino fértil este… Fizemos poucos shows talvez por causa disto, mas finalmente tomamos vergonha na cara e nos cadastramos no Tramavirtual ( www.tramavirtual.com.br/artista/backstages ). Também rola uma ajuda da parte do nosso amigo Ricardo Pereira. Ele tem um site de bandas independentes (Nasentocas – www.nasentocas.com) e sempre ligar pra mim instigando e cobrando mas serviço da gente, inclusive, ele nos colocou na 5ª coletânea do site Nasentocas, é pra comprar, mas é baratinho…

Como flui o som do Backstages ao vivo ?

Alto. Se não for, não é rock.

O que esperar do show no Barramundo ?

Alto. Garantia então de que vai ser muito rock.

Fale algo para convidar o público a ir ao show.

Quem tiver afim de conferir uma banda de guitarra e bateria que não é o White Stripes vá.

Serviço:

Coquetel Molotov Apresenta


The Dead Superstars e Backstages

DJs Márcio Padrão e Cláudio N.

Sexta-feira – 29/10 – 22h

Local: Barramundo Social Clube

Av. 17 de Agosto, 1780 – Casa Forte – Recife

Ingressos: R$ 6,00

Backstages

Links:
» Backstages no RecifeRock
» Site do Coquetel Molotov
» Site do Nasentocas

——–

Posted quinta-feira, outubro 28th, 2004 under Notícias.

Comments are closed.