Tapa na Orelha – Festival de Verão

É verão…

É um serviço sujo, mas alguém precisa fazer. Começa amanhã a quarta edição do malfadado Festival de Verão do Recife (podiam pelo menos tirar o “do Recife” do nome, já que não tem nenhuma banda daqui mesmo). Mas não é nem o fato de não ter nenhum pernambucano na história que me incomoda. O que me incomoda mesmo é o nível rasteiro das atrações. E me deixa fulo da vida ver que a Rede Globo quer ressuscitar o Recifolia. Preconceituoso? Sou! Detesto porcaria. E detesto ainda mais saber que a principal emissora do Nordeste, retransmissora da maior rede do país, aquela que dita padrões culturais e determina o que é moda, queira servir aos seus o mais podre cadáver já surgido na história musical do país.

Um pouquinho de aula de história: após três décadas sob forte ditadura, toda uma geração que cresceu fazendo mídia e não sabia o que era trabalhar com liberdade de expressão fez o que todo brasileiro faria se ela (a liberdade) de repente lhe caísse no colo: a vendeu para o primeiro bom comprador que apareceu. Nascia o jabá. Não importava o que tivesse tocando nas rádios e aparecendo na TV. Se todos recebessem o seu, se os donos de rádio e programadores estivessem com o bolso cheio, não fazia a menor diferença quem era a bola da vez. O primeiro bom comprador foi o rock nacional. De 1984 até 1989, ele dominou o dial e a tela de tv. Uma geração inteira acabou sendo embalada por Ultraje a Rigor, Legião Urbana, Titãs, Lobão, Cazuza, Barão Vermelho e Paralamas. E já naquela época havia gente a dizer que a rádio só tocava porcaria (mal sabiam o que ainda estava por vir).

Bem, veio a década de 90, e apareceram novos compradores para as ondas das rádios e as antenas de tv. Era o trio “chute nos testículos” formado pelo Breganejo, Pagode Mauricinho e Axé Music. Imagine você, toda uma geração crescendo ao som disso, achando que isso era a coisa mais nobre que existia na música brasileira. Pois iam pensar o quê? Só tocavam isso. E, para o povo, se toca no rádio, é bom. É o tal do “efeito condicionado”: “liga o rádio e o que estiver tocando está bom”. O que esperar, culturalmente, de uma população que cresceu achando que Chiclete com Banana é arte. Que Durval, do Asa de Águia”, com suas “Dança da Manivela” e “Dança da Tartaruga”, é um poeta. Que Netinho e sua “Sandra, Sandrinha” são mais importantes do que Chico Buarque? Aliás, aqui vai um dado alarmante: Chico Buarque, hoje, é um artista alternativo: vende pouco e mal toca nas rádios. Bem, mas como ia dizendo, o que esperar de população que cresceu sob tamanho engodo cultural, submetida ao lixo dos lixos, ao que há de mais pérfido, podre e vazio na música brasileira? Só dá para esperar que eles tirem o pé do chão e balancem as mãozinhas mesmo. E a culpa nem é sua, fã de axé. Você foi enganado e não sabe. Não lhe deram escolha. Foi vítima de um genocídio cultural. A monopolização emblemática da nossa sórdida indústria da música. Criamos uma geração de zumbis.

Ou você, Rede Globo, acha que Cartola, Nelson Cavaquinho, Nelson Sargento e tantos outros seriam rejeitados pelo povo se você se dignasse a apresentá-los com a mesma ênfase e vontade com que apresenta essa musiquinha vagabunda? Este pastiche de quinta categoria da verdadeira música baiana?

Dizem que quando você tem um filho, começa a ser assolado por medos: medo que ele vire traficante, ladrão, pedófilo, seqüestrador, estuprador e até assassino. Pois meu maior medo é que meu filho vire cantor de axé music. Para todos os outros crimes existe cadeia.

Ok, caia na folia. Mas seja consciente. Saiba que está sendo enganado. Eu tive um pouco mais de sorte. Fui enganado pelo monopólio do rock nacional.

Eu ia falar sobre a Abrafin e a programação do Abril pro Rock, mas vou deixar para a próxima semana. Melhor não misturar as coisas.

Até a próxima!

Posted quinta-feira, março 15th, 2007 under Tapa na Orelha.

25 comments

  1. haeuhuehauheu, boa Hugo!

  2. “Pois meu maior medo é que meu filho vire cantor de axé music. Para todos os outros crimes existe cadeia.”

    somos dois!
    =D

  3. geraldo de fraga says:

    até q enfim algum crítico musical do recife destilou fúria sem medo de represália!
    salve hugo, grande goleiro!

  4. esse texto ai
    do caralho. ps: coloquem mais bandas independentes daqui de recife, deem mais destaques pra elas. fiquem por dentro do q acontece e procurem som bom, sem esses emos, e a modinha.

  5. andre intruso says:

    Grande Hugo.!!

    Ainda bem que eu tambem fui enganado pelo rock nacional…

    Muito bom ouvir verdades ! ate !

  6. é isso ai Hugo.
    assece: http://www.carbuco.zip.net
    carbuco uma cabeça em Carpina-PE

  7. Felipe lins says:

    não é de hj que existem criticas sobre a postura da rede globo perante a industria do axé music.
    infelizmente acho que isso nunca vai mudar,pois o axé music é um estilo de musica ”comercial”,é algo que da dinheiro.o povo gosta,mas não significa que seja bom.

  8. Eu detesto Axé, Pagode, Breganejo e todas estas porcarias, também cresci sobre a influencia do Rock nacional, mas também nao posso dar parabéns para o cenário rock de pernambuco, que sempre teve e tem até hoje suas panelinhas. Monopólio existe em tudo, tudo sempre foi um jogo de interesses: passei nove meses organizando um pequeno festival de bandas no recife antigo em que tocaram mais de 40 bandas locais, nunca tive uma cobertura sequer do site Reciferock, que sempre esteve muito ocupado com Volver, Radio de Outono, Carfax, etc. Criticar é fácil, difícil é dar o exemplo.

  9. EU TE AMO, HUGO!!! SÃO DE JORNALISTAS VERDADEIROS COMO VC Q O BRASIL PRECISA: CLAROS, COERENTES, Q NÃO SE VENDEM!!!
    PARABÉNS E CONTINUE ASSIM!!
    RRRRRROOOOOOCCCCCKKKKKKKKKK

  10. Ae boaa mano, pra quem pelo menos foi em 2004 e 2005 esses agora tão um verdadeiro festival de verão de axé… porra troca esse nome!!!

    È ISSO AE!!!

  11. Sérgio Luiz says:

    Sobre o nome talvez a intenção seja dizer que o festival acontece no “Verão de Recife” e não que seja um “Festival Recifense”.

    Sobre o axé podemos realmente destacar que é um ritmo massivo e superexplorado pela indústria fonográfica, com melodias e harmonias simples e de fácil memorização e com letras por tantas vezes incipientes. Porém cabe questionar: até que ponto somos isentos em nossas opiniões? qual a profundidade do suposto abismo que, supostamente, separa o axé deste “exímio e original” rock que é produzido nestas terras tupiniquins? e se fosse o contrário? o que é lixo? o que é ouro? o q

  12. Sérgio Luiz says:

    Sobre o nome talvez a intenção seja dizer que o festival acontece no “Verão de Recife” e não que seja um “Festival Recifense”.

    Sobre o axé podemos realmente destacar que é um ritmo massivo e superexplorado pela indústria fonográfica, com melodias e harmonias simples e de fácil memorização e com letras por tantas vezes incipientes. Porém cabe questionar: até que ponto somos isentos em nossas opiniões? qual a profundidade do suposto abismo que separa o axé deste “exímio e original” rock que hoje é produzido nestas terras tupiniquins? e se fosse o contrário? o que é lixo? o que é ouro? o que é meu? o que é seu? crime?…

  13. Cara….se mata!!!!kkkkkkk

  14. Meu para de falar mal dos outros e cuida da tua vida,se tocar axé na rádio,desliga.Existe um botãozinho onde está escrito on/off,então é só apertar…não que eu seja a favor do axé só que eu tenho coisas mais importantes para me preocupar…cara se liga…que coisa feia!!!Com relação ao nordeste tocar musicas nordestinas e no interior tocar sertanejo e na periferia tocar pagode…cara é só vc pegar um avião e se muda para Londres aonde tem uma grande quantidade de rockeiros e a maioria é preconceituosa como vc então RRAAAALLLAAAA e leva um LP do Chico com vc….kkkkkkkk´(só mais uma coisa tu é feio,gordo e não cata mulher…hã então é por isso essa revolta)

  15. mermão axo ki vc ta cum algum problema contra axé ne? e o durvalino ne poeta naum! ele apenas é compositor e muito bem sucedido muito mais do q vc na sua profissão! eu acho que você precisa de uma namorada isso sim!
    festival de verão do recife ta xow de bola!

  16. ahhh e concordo cum Sergio Luiz. a intensão é ki o festival de verão é no recife e naum ki são as bandas daí!

  17. Bruno Nogueira tem razão. Os comentários são a melhor coisa do site!

  18. é deprimente ver um bando de alienados enchendo o cu desses empresários de $$$, isso não muda nunca… revolução cultural já!

  19. Porra véi vc falou tudo, se vc que é dai do Recife sente na pele imagina eu que sou aqui de Salvador, porra invejo vcs por terem um Abril Pro Rock um dos melhores festivais do país, aqui em Salvador só rola festival de Axé, Kagode e arrocha (arg!) pra ver uma banda do rock de peso dá um puta trabalho a sorte nossa é que temos uns guetos no bairro do Rio Vermelho que só rola o puro e bom rock and roll. Rocker Forever!

  20. andre intruso says:

    e………

    …Mais uma vez a cidade foi invadida por este festival monetario e estranho. Estranho a começar pelo nome , que , mesmo se dizendo de REcife, nao conta com nenhuma atraçao da referida cidade.
    Sugiro que no ano que vem o nome do festival, ou mude para o do topico, ou entao os produtores tenham um pouco mais de atençao para com as bandas boas da cidade, que iriam fazer com que esse evento se tornasse um pouco interessante.

  21. andre intruso says:

    topico..

    Festival de VErao de SAlvador em REcife

  22. uhuhuhuuuh!!!
    adorei!!
    muito foda mesmo ouvir essas porcarias!!
    tem jente que idz que chimbinha toca pra caralho!!
    é foda….

  23. Armando José says:

    Thais e Max Victor, claro que nós temos problemas com
    o axé-corno, o sertanejo-corno, o pagode-corno e toda essa mediocridade
    que assola esse país. Porque, é por estas e outras questões que o Brasil
    estar uma merda. Porque cada vez mais estão tirando nossa capacidade de
    pensar, cada vez mais imbecilizando o povo, nos aleijando culturalmente.
    Como o próprio Hugo falou…”criando uma geração de zumbis”.
    Tudo isso a custa de quer? Dinheiro!
    Não estão nem um pouco com a qualidade, com a educação da massa, em melhorar
    um pouco que seja esse país.
    Não to apoiando o rock, mas sim um manifesto de apoio à cultura brasileira, principalmente a cultura do meu estado (Pernambuco). É o meu apoio ao mangue, ao maracatu, ao coco, ao verdadeiro forró, ao verdadeiro samba, e a todos os outros ritmos e manifestações culturais espalhados de Brasil a fora.
    Ta na hora de vocês abrirem os olhos para não entrarem no grupinho dos imbecilizados.
    Ta mais do que na hora da gente começar a agir. Só através da educação, seja ela, cientifica, moral e cultural que poderemos mudar a realidade desse país.

    Abraço a todos.

  24. EU SO QUERIA SABER QUAL SUA IDADE ACORDA P VIDA MUSEU!!!!!!

  25. O PAIZ TEM ESPAÇO P TODAS AS TRIBOS VC NÃO ACHA!!!