Tapa na Orelha – Essa tal subjetividade

Quando abracei a idéia do Recife Rock!, há quatro anos, a primeira coisa que ouvi foi: “vamos fazer textos pessoais, opinativos”. Queríamos fugir do lugar-comum dos jornais, que normalmente trazem textos escritos na terceira pessoa, embora igualmente opinativos. Além disso, abrimos espaço para os comentários. Mas aí vi que eu não estava suficientemente maduro para isso. Uma enxurrada de comentários xingando meus mais antigos ancestrais apareceu no site. Pedi para sair. Fizeram uma campanha para que eu ficasse e cá estou. Com o tempo fui amadurecendo e deixando isso de lado. Hoje, o que me incomoda não é ser xingado (aliás, dou boas risadas com isso), e sim a falta de informação de quem xinga.
Todos os textos do Recife Rock! são assinados. Portanto, refletem a opinião de seus autores. São condizentes com a verdade? Lógico que não. Toda a História da Filosofia, dos pré-socráticos até Marx, não conseguiu dar conta da verdade. Quem somos nós, então, para apontar o que é verdadeiro ou não? Muita gente cobra imparcialidade, sem saber que isso não existe. Quem tenta vender imparcialidade está simplesmente mentindo. Somos parciais o tempo todo, em todas as escolhas que fazemos na vida. Então,a maneira que encontramos para nos aproximar um pouco mais desta entidade inatingível foi abrir o espaço para comentários. Ele é útil por vários motivos: transforma o leitor em autor, criando um diálogo que seria impossível em outro veículo. Permite um equilíbrio nas coberturas, pois entra a opinião do público, do fã, do cara que pagou ingresso para ver sua banda preferida. E estimula o debate abrindo espaço para o contraditório. O André Intruso meteu uma resenha no espaço destinado aos cmentários. Genial! A idéia é essa mesmo. Acho fantástico quando encontro comentários do tipo: “discordo de você, eu gostei do Quarto das Cinzas”. Ou quando alguém relata que teve o celular roubado e coisa e tal. Quando isso é feito, é sinal de que você, leitor, além de dialogar com o texto, está acrescentando novas informações a ele. Trabalhamos (eu, principalmente) com juízos de valor. E isso é algo absolutamente pessoal. Mas não somos só nós que adotamos essa linha. Veja, Época, Carta Capital, Folha de São Paulo, JC, Folha, Diário e todos os outros fazem a mesma coisa. Só que a gente escancara o “eu acho” que vem implícito em todo texto (Bíblia, bula de remédio, receita de bolo, cardápio de restaurante, manual de intruções, kama sutra), Todos nós reagimos de diferentes maneiras diante de um estímulo estético. Uma amiga minha, jornalista que trabalha em um veículo de alcance infinitamente maior ao do Recife Rock!, gostou do show do Quarto das Cinzas. Isto é ruim? Ao contrário, é ótimo! Significa que eu não estou certo. Nem ela. E ao mesmo tempo estamos. Essa é a graça de tudo. Não existe certo e errado em arte. Existe catarse, reflexão, deslumbramento, horror, pânico, encanto, indiferença, aceitação, negação. Por isso ela é tão fascinante. E por isso que nunca ninguém vai conseguir resumi-la em palavras e opiniões. O debate é eterno, perpétuo e necessário. A única coisa precisa sobre a arte é que ela não dialoga sozinha. Dialoguemos com ela então!

Até a próxima!

Posted quarta-feira, abril 18th, 2007 under Tapa na Orelha.

28 comments

  1. Òtimo!

  2. Andre Intruso says:

    Isso !!

    Cada um ve de maneira diferente. E o que seria do verde se todos gostassem do amarelo???

    Hugo, sempre sobrio!! Ate!

  3. Condordo em número,gênero e grau!!!!A arte liberta a mente e forma opiniões…sendo assim as opiniões são formadas pela liberdade da mente que a arte nos traz…Manuca(RELLES)Rock sempre!!!

  4. concordo..!!!

    e o legal disso é:

    vão terminar me chamando de baba ovo!!!
    mas é a vida…

    o que seria do certo sem o errado??
    e quem sabe o q eh certo e o q é errado..!!

    e viva a Adversidade de opiniões!

    falowzen!!!

  5. A questão não é a imparcialidade, pois de fato eu sei que isso é um mito. O problema, é se propor a cobrir um evento, no caso o segundo dia do Abril pro Rock, e deixar de citar duas bandas. Isso não tem nada haver em ser ou deixar de ser parcial. É fingir um autismo tremendo. Se não tivesse dado tempo de cobrir tudo, acho que deveria estar escrito na resenha. Não citar a banda N ou a banda X como se essas não tivessem feito parte do evento é manipulação através da omissão de um fato, e isso a VEJA como já citaste sabe fazer direitinho, e me desculpe amigo, mas isso não é jornalismo. Aonde está o editorial do site? Coloquem lá: “O recife rock é opinativo”. Tem que estar lá para que não haja uma má interpretação, assim como houve de sua parte em relação a banda Rabujos.
    No mais… tá tudo certo.

  6. Andre Intruso says:

    Eu acho que algumas bandas que se apresentaram este ano nao precisavam mesmo ser comentadas.

  7. Rodrigo,

    tentei explicar no texto do segundo dia que não achava justo cobrir as bandas de emo, pois não suporto o gênero. Isto foi combinado desde que a programação do Abril foi divulgada. Acho que seria premeditação da minha parte, que já falei mal o suficiente do gênero. Só que aí esbarramos em dois problemas: Guilherme, que ficou de escrever sobre essas bandas, cobriu todos os shows filmando e batendo foto. Ou seja, ainda está de ressaca. E não conseguimos encontrar, até hoje, um colaborador que goste de emo. Quando aparece um, o cara escreve “maçã” com ss. Aí fica difícil. Foi justamente para não fazer de conta que os shows não aconteceram que resolvi compartilhar com os leitores a decisão de não cobri-los.
    Aproveito para o apelo: se você gosta de emo e não escreve “massã”, por favor entre em contato.

    Abraço!

  8. Já sei, Carbona não é emo…mas o ignorante aqui acha a mesma coisa :)

  9. Ignorante! :P

    não é emo! =)

  10. Apoiado!

    Cada um com seus conceitos, opiniões e idealismos.

    Aaah,
    li a resenha sobre O Quarto das Cinzas…
    E… Gostei do show, só pra constar.

    o/

  11. Felipe Gurgel says:

    Hugo tá certíssimo. E eu curti o show do Quarto das Cinzas. Discordo de vários pontos da resenha, mas a liberdade para escrevê-la de tal forma é plena.

    Não acho errado deixar de citar o show das bandas emo. É livre escolha editorial. Os grandes veículos, como ele citou, fazem isso. Já que são conduzidos por gente, tal qual este site. Os dois estão errados? Talvez não, a gente tende a tomar posição mesmo.

    O lance é cada um ir atrás de formar, e não só “encruar”, como diria aqui no Ceará, suas próprias convicções. Deixar de se afetar tanto com a leitura ou recorte que o outro faz da realidade.

    O site é do caralho. Conheço o Bruno pessoalmente, mas ainda não conheci o resto da galera. Fica para próxima. Abraço!

  12. Jose Henrique says:

    O Hugo falou o óbvio, mas é incrivel que tem gente que ainda não entende

  13. RENATO ( UNLUCKY SECONDS) says:

    PARCIAL OU IMPARCIAL O ESPAÇO ABRE AS PORTAS PARA INSERIR NOSSAS PERCEPÇÕES, APARTIR DAI CADA UM ARCA COM O QUE ESCREVE ISSO É QUE DINAMIZA OS NOSSOS DEBATES OU COMENTARIOS

  14. Eu acho uma coisa….

    Só podi!!!

    é cana

  15. gostei do bebo!

  16. Eu sinceramente acho que não é todo mundo que faz arte(claro que no meu sentido de arte).
    Acho que isso acontece também no Grito! e aconteceu comigo… na entrevista do Monodecks um comentário me deixou super arrasado, mas por um lado fico feliz por que eu não faço jornalismo e não tenho vontade de fazer, mas como bom curioso pelo menos os acentos eu coloco nos lugares certo e ainda tem gente que le o que eu escrve, graças, deve ser menos interesante.

    Mas com o passar do tempo lá as coisas vão ficar cada vez mais difícies, por que eu sou o unico estranho no meio dos profissionais.

    Mas assim mesmo, digo que gostei muito do texto, foi legal ler isso!

    Abraço

  17. Eu acho que gosto não se discute…até por que alguém ai pode me explicar como o Paulo André pode deixar de fora bandas como Carfax,Mellotrons,Relles???? e ao invés disso coloca no circuito Canto dos Malditos na terra do nunca…Deus me livre!!!!!Carbona???ecaaaaa “EMO”é lixo!!!!não jogue nos seus ouvidos!!!!

  18. Cada um fala o que quer e cabou-se…jornalistas,músicos,fãs seja lá quem for…Vamos curtir a boa música pow!!!como a mina ai de cima falou Cafax,relles tem tb Suvaca de prata,Fiddy que mandou ver no Abril e tanta coisa boa aqui da terra.Salve,salve a música alternativa pernambucana!um abraço ao pessoal do reciferock!!

  19. Katianne ( Molamania) says:

    Otimo mesmo esse assunto ser discutido , a palavra já descreve perfeitamente ” Comentario” julgamos e lemos como queremos, se fosse conselhos cobrariam concerteza, a Arte uma bela fuga para nós “Relles Mortais” varias opiniões , varias discursões uma só meta , mostrar o que bom e belo ….

  20. Eu acho que Hugo é só um polemista de araque! Tá aqui pra se auto promover falando mal das bandas! Aposto que para cada banda que ele fala mal, o RecifeRock paga a ele 50% a mais do salário!

    Deviamos ir até a redação onde funciona o escritório do site pedir a retirada dele! Uma empresa séria não teria funcionários assim! Absurdo!

  21. Acho isso uma questão de humor ocasional. Entrei em outra dimensão ao ver “Os mutantes” na noite anterior, pra mim já bastaria,por uns 10 anos; mas ganhei o ingresso do segundo dia e resolvi ir, pra sacar as bandas novas e tal(pelo menos, novas pra mim), uma banda que me surpreendeu foi a banda “Fiddy”, nem pelo som e tal, que nem curto muito New metal, mas pela atitude dos caras, lembro que dei muita risada, me divertir, o som dos caras é promissor,ou vai ver eu tava de bom humor e qualquer coisa me deixava feliz,também tinha a vodca, mas ter visto “mutantes”,foi perfeito!
    Vamos fazer de conta que somos livres pra gostarmos do que quizermos e nos divertimos com isso, assim nunca vão existir conflitos ideológicos, filosóficos, escatológicos e infinitos Silogismos íntimos.

    um forte abraço a todos

  22. Sofia Egito says:

    Concordo em gênero, número e grau.

    =)

  23. Andre Intruso says:

    Eu acho que tao confundindo atitude com melancia !

  24. é fato que, com essa pós modernidade a subjetividade e parcialidade diante de fatos e idéias se perdeu no limbo que existe entre verdade e percepção em conflito com a mentira e a incapacidade de compreender.

    que há parcialidade em toda resenha, é fato indiscutível. mas o problema vai muito além, no caso específico discutido atualmente (sobre a injustificada polêmica na afirmação de Jaka, vocalista do Rabujos).

    o que houve.. muito além de parcialidade foi “incompreensão”, má-interpretação, e para os que ama essa subjetividade libertina, houve um ERRO, tão absoluto quanto escrever maçã com “SS”.

    quanto a admitir, meio a 3 mil visitar por dia já é um problema que suprime qlq coerencia textual ou valorativa.

    repito… absolutamente nada contra ngm, mt menos contra o site, que pra mim ainda é a grande porta na mídia pernambucana pras bandas alternativas locais. só acho que depois de uns 3 anos de site, chegou a hora de pedir desculpas!

    ou melhor, admitir o erro, já que não foi um erro doloso.

  25. ELDÉR, APRENDE A LER E DEPOIS TENTA ESCREVER! ANALFABETO! PORRA ESSE SITE ESTÁ CHEIO DE EMO ANALFABETO. COMECEI A CONTAR OS ERROS DO ELDER-EMINHO, MAS DESISTI.

  26. bruno diniz says:

    Cara essa coisa de imparcialidade ou não já está mais do que discutido. Acho muito interessante o fato de vc admitir que não gosta de emo, mas como é um gênero que até quem gosta tem vergonha de dizer, não foi tão dificio de assumir. Queria ver vc gabar-se que não gosta de gêneros mais bem aceitos pelo publico do site, já que, isso fica claro em algumas resenhas. Acredito tb que o fato de não gostar não é argumento suficiente para não cobrir. seria muito mais interessante, para nós leitores, ver um profissional declaradamente antipatizante cobrir de forma verdadeira o tal gênero.

  27. ehaieheoiheoiue

    desculpa paulo, mas no momento me sinto incapaz de ver os erros ortográficos. eu admito q até fui ver se por descuido havia errado muito mesmo, mas não achei nada até o momento, exceto um erro de concordância (visitaR = visitaS e ama = amam) e a falta de algumas “,” ambas descuidadas.

    (até pq se for pouco não ligo…. eu nao tenho a pretensão de me tornar gramaticalmente competente para escrever para o site)

    hehehe no mais, hehee adorei seu ódio desregrado!!! vc tb pretende ser um redator do site? vá em frente… vc tem futuro!! um belo corretor dos comments do forúm do site!!

    eheheh bjus na pontinha do seu nariz paulo!

  28. e perdão pelos novos erros!!! por falar nisso, “ambas” existe?? heauioehoe

    valeu… vou ouvir emo aki!

    (e reforçando… eu n tenho absolutamente nada contra, e mt pelo contrário, sou frequentador assíduo do reciferock. hugo, guilherme, etc… acho que vcs me conhecem pra saber que tenho maturidade suficiente para não tecer críticas pessoais, mt menos via blog)