Tapa na Orelha – Uivo mutante

Ontem Lobão se apresentou no Domingão do Faustão. Tocou as músicas de seu acústico e conversou sobre o universo da independência. Já sei que isso vai gerar a maior polêmica, pois todo mundo espera que Lobão permaneça escondido no underground. Se esquecem que, há sete anos, no auge do discurso contra as gravadoras, Lobão foi divulgar A Vida é Doce no mesmo programa.
Eu achei a performance de Lobão e banda linda. Fiquei feliz por saber que pelo menos uma vez na vida a audiência de Faustão consumiu algo com conteúdo. Por saber que Lobão atingiu um público muito maior do que o do o universo independente. Nem achei constrangedor aquelas bailarinas de academia de musculação dançando aquelas coreografias ridículas ao som de Me Chama. Mas confesso que teve uma coisa que me deixou com uma pulga atrás da orelha: achei incoerente ele ir a um programa que tem a reputação de cobrar 40 mil reais das atrações que passam por lá. Lobão passou os últimos dez anos erguendo a bandeira da luta contra o jabá, e foi tocar justo em um programa que cobra jabá.
Acho muito justo que Lobão volte ao primeiro time. Que retorne à uma grande gravadora e que colha os frutos e louros de dez anos de ótimos serviços prestados no mundo independente. Mas acho que ele virou refém do seu próprio discurso. Vai ter que passar o resto da vida se justificando, principalmente para o público mais xiita, que representa, digamos assim, 80% dos consumidores de rock. Sei que o objetivo de qualquer artista é atingir o maior número de pessoas possível. Até escrevi uma coluna em sua defesa, dizendo que ele está mais do que certo em gravar um Acústico e voltar a freqüentar as paradas de sucesso. Mas acho que a apresentação no Faustão não foi uma boa idéia. Sempre vai ficar no ar aquela pergunta: a gravadora desembolsou os 40 paus para o velho lobo se apresentar lá? Complicado.

Tia Rita

Foi publicada na edição de ontem da Folha de São Paulo uma entrevista de página inteira com Rita Lee. O gancho para a matéria era o lançamento de três DVDs temáticos da cantora, mas o foco de interesse mesmo era a relação dela com os Mutantes. Como Rita, já há um bom tempo, só concede entrevista para veículos impressos via e-mail, acabou dando algumas respostas bem engraçadas. Em determinado momento, perguntam se ela já viu uma apresentação da nova fase dos Mutantes e se existe alguma possibilidade dela fazer algum show com eles. A resposta: “Não vi nada e não pretendo fazer nenhum show com eles. Mas, se me pagarem 1000000000000000000000000000000000000000000000000 zilhões de euros, até posso considerar a idéia”. E, em uma declaração registada em um dos DVDs, ela explica sua saída dos Mutantes. “Fui expulsa dos Mutantes. Cheguei um dia para o ensaio e estava um clima de enterro. O Arnaldo falou: ‘Agora vamos fazer música progressiva. Você não toca bem nenhum instrumento, então está fora’. Fiquei chocadísima. Mas o meu orgulho foi tão grande, engoli o eu tinha de engolir e fui embora. Depois é que fiquei bastante magoada. Uma raiva de ver a cegueira deles. Vai ficar imitando Emerson, Lake & Palmer? Vai ficar imitando Yes? Os mutantes sempre foram deboche. Depois, com o tempo, fiquei mais aliviada por ter sido expulsa”.
A questão aqui é: já pensou se essa mulher muda de idéia. Ao mesmo tempo em que terá gente ajoelhada e chorando dando graças aos céus, surgirá a já conhecida patrulha ideológica munida com seus cartazes de “vendida” em praça pública. Declarações como as de Ria e as de Lobão são sensacionais. Mas eles acabam virando reféns delas pelo resto da vida.

Posted segunda-feira, maio 7th, 2007 under Tapa na Orelha.

7 comments

  1. bom….

    realmente… até gostava desse cara… acho q mais pelo discurso.. do que pela música em si(apesar de gostar de algumas músicas dele) enfim.. acho foda o cara lutar a vida toda contra uma coisa.. e depois pegar todo seu discurso e jogar no lixo.. coisa que não foi só com ele que aconteceu.. um grande exemplo é o nosso presidente.. na cabeça dele o negócio era fazer greve e estar dentro de sindicatos.. nao vou dizer que ele abandonou os sindicatos.. mas eh aquela coisa.. o cara virou político..! voltando ao assunto:
    nao vou chamar “o cara” de vendido. pq música é pra ser divulgada.. é para atingir o máximo de pessoas… mas porra.. pegar toda sua ideologia.. pegar a batalha de uma vida inteira e simplesmente virar as costas pra isso.. e PAGAR JAbÀ!!!!?!?! é foda.. é simplesmente Foda….

    nao luto contra o jabá… mas tb não pagaria jabá..(eu acho) como podemos ver.. as opiniões mudam.. e é por isso q um dos nossos grandes músicos já dizia…
    que preferia não ter uma opinião formada sobre tudo.. mas que era melhor se ter uma boa ideia.. pois ideias podem ser mudadas…!

    é isso ai..!!

    flw!!!

  2. Andre Intruso says:

    Penso que a trajetoria do Lobao é incontestavel e inquestionavel. As pessoas se esquecem que o trabalho do cara continua com a revista Outra Coisa, que a opçao de ser alternativo em banca de revistas a preço justissimo foi ele quem trouxe, e , o mais importante, a gravadora ( mesmo que tenha pagado 40 paus), nao se meteu em absolutamente nada no acustico do Lobo.
    A grande questao é que varios artistas sim, se tornavam refens de gravadora que por outro lado aleijavam a ideia central de um bom artista.
    Nada contra se ter uma grande gravadora bancando um grande trabalho, desde que a liberdade de criaçao e a concepçao do que vai ser feito se mantenha intacta pela origininalidade que a fez grande desde o inicio.
    No mais, todo mundo precisa de dinheiro !!

  3. até concordo com vc André!!! ele é um cara talentoso.. ele não se rendeu a tocar músicas da moda para poder aparecer em TV! todo o trabalho dele é autoral… ninguem meteu a mão nas músicas dele… e sabemos tb que todos precisam de dinheiro pra sobreviver..! e no mundo da música.. sabemos que é difícl… são raras as chances de vc conseguir se manter nessa profissão…
    mas é akela coisa… a palavra é uma arma muito forte…
    e depois de defender por vários anos o underground.. depois de vários anos sendo lado B… e defender o “SER” underground com unhas e dentes… pagar jabá pra tocar no Faustão é foda…!!!

    ele pode fazer o que quiser da vida dele.. mas pelo fato de ele ser um cara público… ele tem que medir as palavras para não se tornar refém delas…

    por isso.. muito cuidado com o que dizer.. pois poderás ser julgado por isso mais tarde..!!!

    heheheheheheehehhehe

    flw !!! até mais..! :D

  4. Jose Henrique says:

    Fala, Hugo, não sabia que no lançamento do A Vida è Doce o Lobão tinha ido ao Faustão.
    Ué, se o programa cobra 40 mil pra aparecer lá, foi o próprio Lobão quem pagou do próprio bolso a grana, já que nessa fase era independente.
    Tb não entendi sua coloção, por que não pode pagar jabá pro Faustão e pode pagar pra rádios?
    Qual a diferença?
    Ahhh sem entrar no mérito da coisa, o acústico dele ficou bom pra caralho.
    E quanto a titia Rita Lee, ela tá caduca cara, na mesma reportagem da FOLHA que vc citou ela diz que é fã do Charlie Brown, ou seja, atestado de caduquice em praça pública, coitada.
    Zélia Duncan está com os neurônios mais em forma.

  5. leo salazar says:

    underground or mainstream?
    muita gente mete os pés pelas mãos falando desses dois “lados” da música. ser underground é ser liso? ser mainstream é ser endinheirado? ser underground é ter músicas boas? ser mainstream é ter músicas ruins? ser independente é não depender de niguém, fazer o que quer, do jeito que quer, na hora que quer? ser de gravadora é ser manipulado, ser direcionado, sem dar pitaco na gravação de suas músicas?
    ficam essas perguntas para uma reflexão.
    queria também deixar registrado duas máximas da indústria da música que podem nos ajudar a pensar a questão:
    1) o artista tem que ir aonde o povo está.
    2) a música revela quem é o artista.

  6. manuca (RELLES) says:

    Minha gente deixa o cara vender o peixe dele…Lobão já deixou sua marca no rock(undergroud)brasileiro…Agora ele está aproveitando a chance da capitalizar ao máximo seu novo albúm que diga-se de passagem está muito bom!Todo mundo sabe que Fautão é o rei do Jabá na TV e a cultura em seu programa passa a quilometros de distância…Mas venhamos e convenhamos que se o cara está fazendo um “investimento” de 40 mil reais ele deve saber onde está pisando e sabe que o retorno virá!!E não esquecendo que é bem válido um “OLHEM PARA NÓS”da música alternativa de vez em quando. Ainda mais se for com “elegance”.

  7. Primeiro vou falar do Lobão: pô o cara faz um som legal, tem umas ideias boas, não só musicalmente falando, como também em percepção da indústria, po´rem falar que o cara é vendido e ficar enchendo o saco do cara pq ele leantou a bandeira do independente, peraí! em várias oportunidades ele disse que o que inspirou ele a compor “me chama” foi justamente que precisava de grana rápido, tinham cortado a luz dele, e prestes a ser despejado do apartamento. putz o cara trabalha com isso, não é feito metade dos “indie-otas” que tem um salário de bater ponto com outra coisa e tira onda de roqueiro por ter uma banda… se o público tá chegando pra ver material de qualidade, ótimo! eu quero mais gente nos shows que a turma monta nos inferninhos da cidade, quem aqui não quer um cachê pra tocar as músicas que fez, e fazer com que outras pessoas se identifiquem com seus pensamentos/sentimentos! Eu pagaria o quanto fosse pra tocar 10 minutos no Faustão – que perdeu a inteligencia e o humor depois que chegou na globo – pq isso repercutiria, com toda certeza, no público que me conhece.

    A Tiazona, Salve, Salve, Rita Lee tem todo o motivo de ficar falando da volta dos Mutantes ou simplesmente ignorar o que vem sendo dito. o tempo dela com os caras passou, se restou alguma afinidade ou inimizade entre ela e os Irmãos Baptista, e problema deles, o caminho que ela trilhou do Tutti-Fruti até aqui, os separou quilometros em relação ao som que cada um faz. Adoro a Rita, adoro os Mutantes (todas as fases), adoro a Zélia, e/ou qualquer combinação possível entre esses elementos deve ser bem recebido.