Tapa na Orelha – Por que nos odiamos tanto?

A idéia já estava rondando minha cabeça há algum tempo, mas tomou corpo de vez depois da repercussão do show do Fiddy no Abril pro Rock. Seguinte: por que será que todo o meio musical se odeia? Exagero? Então vamos enumerar os fatos.

1. Jornalistas se odeiam – parte da nata da crítica musical do Brasil troca insultos diariamente no orkut. E insultos pesados.

2. Bandas se odeiam – aqui a coisa é mais sutil e discreta, mas a verdade é que muitos grupos daqui não se bicam.

3. Produtores se odeiam – acho que nem preciso citar exemplos aqui.

4. O público se odeia – basta dar uma pequena olhada nos comentários do site. Punk não gosta de indie, que não gosta de nada que faz sucesso, que não gosta de metaleiro, que não gosta de quem gosta de pop, que não gosta do público de música eletrônica. E todos os citados acima odeiam emo.

5. Todas as combinações possíveis dos quatro grupos acima são válidas.

Não estou querendo levantar a bandeira da paz, até porque não tenho cacife para tal. É apenas a constatação de um fenômeno que me deixou intrigado: por que tanta agressividade? Por que tanto ódio gratuito? Fora o grupo três, que é mais fácil de explicar, tenho uma teoria para os demais. A coisa era um pouco mais velada na era pre-internet. A comunicação entre leitores, jornalistas e bandas era mais difícil. Com o advento da intenet, a coisa pipocou de vez. É muito fácil ser corajoso atrás de um computador e usando um pseudônimo. Algumas pessoas mostram o que têm de pior na internet. Sem falar que acabamos assumindo outra personalidade no manuseio do teclado. O jornalista André Forastieri escreveu na edição de abril da Bizz que sempre foi um sujeito pacato no trato pessoal, mas que se descobriu valente e insolente diante do teclado. O mesmo acontece comigo. Sou sossegado pessoalmente e me transformo quando escrevo.

Mas a mudança de personalidade na internet é apenas um elemento aqui. Música é uma atividade que mexe com vaidade, ego, orgulho e sensibilidade. A linha que separa esses elementos da irracionalidade é muito tênue. E aí você junta todas essas características em pessoas com interesses diferentes: a banda, que quer mostrar que é boa de fato; o jornalista, que deseja provar que escreve melhor e entende mais de música do que o seu colega de outro veículo; os produtores, que querem convencer a todos que produzem “o melhor e maior” festival do Brasil; e o público, que quer um atestado de credibilidade de seu bom (e “melhor”) gosto via matérias. E ai de quem escrever uma vírgula que entre em conflito com seu refinado e irrefutável gosto. É difícil admitir, mas a verdade é que todos se odeiam. Toda classe enumerada acima é odiada por todas as outras. O que isso tem de racional? Nada. Afinal, música envolve tudo, menos racionalidade.

Eu? Eu não odeio ninguém, mas não vou com a cara de um representante de um dos grupos acima. Quem? Não conto nem sob tortura.

Paz!

Posted quarta-feira, maio 16th, 2007 under Tapa na Orelha.

24 comments

  1. Bemmer Augusto says:

    Todos se odeiam porque nao suportam vê no outro o sucesso e no seu o próprio fracasso, ou melhor, a possibilidade de um fracasso, pois na maioria das vezes, nem tentam finalizar o que começou e na maoria das vezes, nem percebe que o seu potencial não é maior, nem menor que o do outro, apenas diferente e possivelmente direcionado no caminho errado. Temos sempre uma tendencia ao exagero com relação aos sentimentos, ou amamos ou odiamos, e ai figura o excesso. Respeitar, apenas isso já é um bom começo. Eu amo poucas pessoas, não odeio ninguem e respeito todos.
    Parabéns Hugo por este tema.

  2. rapaz, eu acho que cada um tem de fato o seu gosto e acaba se fechando em uma tribo, e naturalmente passa a detestar ou ridicularizar tudo que tem uma proposta diferente da sua. eu acho isso normal, só acho que deve haver respeito de todo mundo. vc tem direito de achar uma banda ou um movimento uma bosta, mas tb deve respeita-lo. eu acho que nao teria graça se tudo fosse só paz é legal essa richa entre bandas,produtores,jornalistas deixa as coisas mais divertidas

  3. acho isso uma evolução sua hugo em perceber e dercrever isso. discordo apenas da generalização. eu acredito, e até tenho que acreditar na existencia de pessoas decentes por de trás dos teclados!!!!

  4. Pior seria a indiferença. No ódio, vc mostra muita coisa, é humano amar ou odiar!

  5. Andre Intruso says:

    Entao..

    Eu acho que o grande ponto do texto foi o fato da tranformaçao diante o teclado.
    Infelismente (o Lobão falou isso na TV ) a opiniao quando é dada com sinceridade e sem fazer media com ninguem acaba sendo vista como um desaforo ou um desrespeito.
    Ainda considero que a hipocrizia é o grande alimento para o citado odio acima , que , no meu caso, nao é odio e nem amor, é apenas uma opiniao sincera sem rodeios e sem sorriso amarelo de tudo bem.
    Pegando esse gancho , quero aqui ressaltar a grande iniciativa da banda Rockstar, que vai realizar a “Batalha das Bandas” ( falando em odio..), que vai acontecer naquele bar em frente ao burburinho, se nao me engano se chama Bodega.
    Ali sim, as guitarras poderao mostrar suas raivas, angustias, sorrisos , amores e quaisquer odios possivel.

    Paz!!

  6. Marlon Pierre says:

    Pois é, falta para todos o bom e velho respeito as diferenças!!

  7. Andre Intruso says:

    ..onde se le ..possivel..leia-se possiveis!

  8. Existe sim um certo desdém das pessoas umas com as outras, já vi cenas horrivéis entre bandas Pernambucanas que apesar do genero ser diferente, estão no mesmo barco, no mesmo movimento, vi um certo dia,um vocalista de uma banda cujo não vou citar nomes, olhando com uma cara de desprezo para duas bandas que estavam amigavimente tomando uma e conversando na grande Rua da Moeda,fiquei vendo sua reação, olhou desprezando os seus companheiros de profissão e foi embora, acho que rola uma certa inveja da galera, e outras coisas mais que acontecem, como excesso de orgulho, acham que são os reis do do pedaço, e esquecem que todos são profisionais, sejam Jornalistas, músicos, Poetas, Cordelistas, Repentistas… que só querem reconhecimento, como todos. acho que todo mundo tem que se movimentar para a coisa andar, e podemos começar pelo respeito uns com os outros…
    abraços a todos!

  9. No meio da música as pessoas se odeiam por que são pessoas. essoas se odeiam em qualquer lugar, na música, no trabalho, na ciencia… Efim, ese ódio acima citado não é restrito do meio musical, é algo muito mais amplo.

  10. porra.. finalmente uma conversa construtiva… por enquanto nada de briga. Achei bom o texto do Hugo e acho que isso foi mais ou menos um desabafo.
    É que se vcs prestarem acontece algo muito ruim aqui no RecifeRock, especialmente com o Hugo, o pessoal gasta mais tempo metendo pau em uma virgula mal posicionada no texto do que debatendo (comentando) a ideia levantada pelo autor.
    E acredito que isso rola mais com Hugo do que com os outros, pq como falou o lobão – e foi muito bem lembrado pelo Andre Intruso- a opiniao quando é dada com sinceridade e sem fazer media com ninguem acaba sendo vista como um desaforo ou um desrespeito. Foda!
    Então, galera que só mete pau:
    *se ta ruim, não lê.
    *se acha que pode fazer melhor, faz.
    *se conseguir fazer algum melhor, faz mais alguns.
    *e se vc for bom mesmo, divulga;
    *e se algum dia tiver muita gente lendo o que vc escreve… não se irrite com as pessoas que vão lá so pra meter pau

  11. Felipe Hindenburg says:

    É cara, pois é. Por isso que metade das coisas aqui não vai pra frente. Infeliz. ):

  12. é a falta de um meio democrático onde todos possam agir e participar que instiga esse ódio mortal entre as pessoas se ninguem tivesse do que reclamar nao haveria o ódio.. mas também não teria graça!!!…

    auehuihaeuhiahehuiaheiuhauiehhauiehuhaeuihuaiheuihaeuihuiaheuiaheuihuiaehuihaeuihauiehiuhaeuihauiheuihauiehuaheuhuiahehhaiheuihauiehiuahuiheiuhauiehuihaieuhuiaheuihuae

    flw!

  13. A comunidade da BIZZ tá te deixando noiado rapá!

  14. Marcio Gama(RELLES) says:

    “Música é uma atividade que mexe com vaidade, ego, orgulho e sensibilidade”. Ai está resposta!

    Não importa o estilo, importa se é feito com a alma e feeling..isso serve como filosofia de vida.
    Se cada um se preocupar em fazer o seu melhor e respeitar as diferenças musicais, tende a melhorar essas relações…que são relações não só na música, mas da propria sociedade.

  15. Andre Intruso says:

    Ta parecendo campanha da fraternidade!rsrs

  16. é o recife rock n gosta de EMO nem de metal melodico!!!

    N escuto estilo eu escuto musica!!!

  17. Como diria Morrissey: “We hate it when our friends become successful”

    Tem também a tal sinceridade, mas quando se faz (ou tenta-se fazê-la)música isso (a sinceridade) é último plano.

    Mas foi um ponto importante não há união entre vários segmentos nesta cidade conforme fora citadas por Hugo.

    Aos menos em relação as bandas há uma melhora gigante, os demais… Deixa quieto.

  18. É, acho que isso é mal de nome.

  19. ninguém tem mais ódio no mundo por tudo que o Geladeira Metal.!o resto é raivinha e murrinha de menino buchudo!! duvida????? então confiram!!
    GELADEIRA METAL na performance “Descarrego da Condição adulta para uma regressão à idade infantil” – lançando CD-MP3+ DVD e Camiseta linda!!

    Teatro Hermilo Borba F° -= 20horas
    sábado dia 26 de maio!
    R$ 5,00
    + info no site: http://www.fotolog.com/geladeirametal
    QUEBRANDO TODO MUNDO, INCLUSIVE VOCÊS E NÓS MESMO!!

    fuck your ass on the grave!!!

  20. machel kaio says:

    meu vei, o que aparece por ai é um bando de donzelo que nao tem o que fazer com a vida, se dix um sombril metaleiro, revoltado punk, bicha inbutida emo e ecleticos culturais de merda. Bem, eu gosto de musica punk (é o que eu esculto), metal algumas bandas como torture squad e saquei o slyer gostei, classidficam como emo dance of days mais é a melhor banda melodica que eu escultei(sinceramente o que a turma ta fazendo por ai é foda nxzero e forfun é um bom exemplo de ruindade) inde como uma banda que eu nao lembro o nome mais tocou no abril em 2006 antes do colera, se pelomenos tocassem em portugues seria bom.
    Bem! essa é a minha visao e eu gosto de muita coisa, o problema é que o pessoal mata e morre por um estilinho isso é ridiculo. gostei do teu comentario mais o que tu detesta é emo rsrs! eu aposto.

  21. Malcom ? que porra é isso ? é um ser, um fake? Toca punheta tem bunda ou banda?

  22. Andre Intruso says:

    Andre Mantra

    Nao fique nervosinho! O Malcolm te ama!

  23. Joãozinho Consciência says:

    Será que exista algum lugar no mundo em que as pessoas não se odeiam?
    Em nosso caso, mais precisamente em nossa ceninha musical chapa-branca, o ódio vem justamente de nossos fracassos; a grande maioria de nossos músicos é extremamente recalcada e frustrada por não conseguir ir além de nossos toscos ufanismos!
    Aqui em Recife o sujeito faz uma banda e a segunda coisa que faz é procurar um político para bajular e entrar no tal circuito chapa-branca! Ninguem faz sucesso além Manguetown, ninguem vende disco! Sempre assistimos Baianos, Cariocas, Paulistas, Gaúchos, Mineiros, Paraense e etc…triunfando no mercado de discos. E nós vivendo da “ajuda” pública! É um “sucesso” que fica entre nós!

    -nossos músicos covers se acham o ó do borogodó, gozando no membro fálico dos outros!
    -nossos forrozeiros envelheceram e tem uma imagem ruim, são muito feios!
    -nossos bluseiros vivem na mediocridade há anos, gozando com pau dos outros, sem acrescentar nada a lugar nenhum!! Sempre se perguntando porque nunca convenceram ninguem! O único meio de divulgação do gênero é captaneado por um playboy bonvivant namorador de vinte e poucos anos de idade, tão novo na vida, afeito a panelinhas, máfias, joguetes, cinismo e muita frustração!
    -nosso jazzófilos, revoltados, tocando música boa na churrascaria da esquina! Bem baixinho para não atrapalhar a refeição da clientela!
    -nossa música pop está toda vendida a políticos e seus eventos chapa-branca! Alguns patifes viajando o mundo inteiro e rindo de nossas caras de babacas otários!
    -nossos produtores não produzem nada por meios próprios! São todos eles patrocionados por verba pública! Todos uns fracassados e desiludidos por suas bandas (produtos para lavagem de dinheiro) tambem não convencerem ninguem!
    -nossos jornalistas odeiam os músicos porque gostariam de ser músicos! E boa parte deles tambem comem tôco da indústria da “cultura popular”!
    -somos corruptos e sem caráter, vendemo-nos por qualquer coisa!

    Então fica uma sociedade hipócrita, vendida, fracassada, mal realizada e desprestigiada, mendigando favores para políticos e distanciada do público! Justamente quem faz sucesso e vende discos por aqui é quem não está nesta máfia da cultura popular(ou quadrilha, como queiram!). Vejam o brega e o forró eletrônico!

    Então nossa classe artística pensa: -“Caramba, somos uns FDP, metidos a malandro e não saimos do canto! Somos cínicos e invejosos e as coisas não andam! Como é ruim bajular político! Temos sempre que dar nosso suado dinheirinho para os nossos jornalistas corruptos nos divulgarem! Fazemos muita política, pouca música e muito blá blá blá!
    O tempo passando, e diante do fracasso coletivo, cada um inventa um mundinho e se inventa dentro dele! Já que não conseguimos nada no mercado da música, em nossos universozinhos somos o que queremos! E fica cada um em seu gueto fingindo estar muito feliz da vida, perguntando-se porque não sai do Gueto!
    Finalmente concluo que somos uns bostas e não nos perdoamos por isso!
    Não somos indignados com toda a roubalheira que há em nossa cultura!Somos indignados por não fazermos parte de toda essa podreira! Afinal, não dá para todo mundo, o filé é só para a diretoria! A grana não chega para tanto artista corrupto!!!!!
    Até mais bando de hipócritas sem caráter!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  24. João Consciente!

    Clap clap clap!

    O melhor texto até aqui.