Cobertura: Pátio do Rock 2007 – Noite Punk/HC

Foi uma noite de punk/rock/hardcore da mais pura celebração dos estilos, de covers sem-fim de Ratos de Porão, Ramones, The Clash e até Bob Marley, de belos shows da Risko HC e da Nark e, sobretudo, de alento e de esperança para os apreciadores do bom, legítimo e velho punk-hardcore: enquanto houver moleque tirando cover (e tendo como referências) nomes como Ratos de Porão e Ramones, é sinal de que ainda há esperança no mundo.

Só um porém: a noite dedicada ao punk deveria ter sido realizada no sábado, e não no domingo. Punk, em sua maioria, é suburbano, trabalhador e pega no batente na segunda-feira. Se tivesse rolado no sábado, o público teria sido ainda maior do que o de ontem.

Uma coisa é certa: primeira banda da noite sempre se ferra. E tal máxima é universal. Seja em grandes festivais ou mesmo nos alternativos, cabe sempre às bandas de abertura tocar apenas para amigos, familiares e alguns gatos pingados curiosos. Foi o que infelizmente aconteceu com o Twenty Two, banda que segue à risca a cartilha do Green Day, e que mostrou doses equivalentes de nervosismo e competência. Têm o grande mérito de não escorregar na chatice emo, e de ao mesmo tempo de se equilibrar na corda-banba do hardcore californiano sem pender para o lado choroso da história. Enfim, mais um show que entra para a já infinita sessão do “merecia ser visto por mais gente”.

A primeira bela surpresa da noite veio com o trio Unlucky Seconds, que faz uma bela mistura de surf-music com punk. Ainda muito novos, esbanjaram técnica, ousadia e uma sonoridade muito interessante e ainda pouco explorada aqui em Pernambuco. Ainda tiveram a pachorra de mandar uma versão punk-rockabilly para “Blues Suede Shoes”, clássico de um certo rei do rock.

Mas a coisa esquentou mesmo com o destruidor Risko HC, de Jaboatão dos Guararapes. Apesar de abusar dos covers (todos ótimos, por sinal), a banda mostrou peso, fúria, intensidade e uma formação que coube como uma luva para os fãs do gênero: dois vocalistas, um gordo, responsável pelos guturais, e um magro, encarregado dos agudos, fizeram a alegria da roda-de-pogo com “Beber Até Morrer”, “Crucificados Pelo Sistema” (Ratos de Porão) e “Maconha” (Mukeka di Rato), entre tantas outras. Mas foi com o material próprio que mostraram o que tem de mais interessante: fúria adolescente transformada em música.

O mais bacana da noite: foi só o Nark começar a tocar para os caras da Risko HC entrarem na roda-de-pogo. E bastaram os primeiros acordes do Ugly Boys para a rapaziada do Nark fazer o mesmo. Só que antes de cair na farra, o Nark deu seu recado no palco. Um hardcore violento e consistente tocado por uma banda que tem tesão pelo que faz e que parece se divertir até mais do que quem está dentro da roda. Entre porradas de cunho político e social, o maior destaque acabou sendo a impagável “Comedor de Segunda”, dedicados aos caras que “já pegaram uma puta na vida’. Se continuarem no embalo, vão longe.

O clima de celebração punk só fez aumentar no show do Ugly Boys. Com ótima presença de palco, a banda sacou que o público queria mesmo era pogar e mandou uma saraivada de covers: Bob Marley, Sex Pistols, The Clash e Ramones. Teve até senhor de idade no meio da roda. Calejados, tocavam o que o público pedia (fora o indefectível “Toca Raul”) e abriram mão de mostrar mais composições próprias. Ninguém deu a mínima, e todo mundo saiu de lá satisfeito e renovado para encarar mais uma segunda-feira de aula ou de trabalho. Ou de ambos, porque a vida é mesmo punk.

Considerações finais: infelizmente não pude ir a noite dedicada ao metal. Soube, através de fontes confiáveis, que o Project 666 destruiu tudo, e que o Decomposed God fez um belo show de encerramento. A lógica também entrou na jogada: acabou sendo a noite de maior público.

Foi um dos poucos festivais em que não vi sequer uma banda ruim. Algumas ainda são meio verdes, mas possuem potencial de sobra para explorar. Fora os artistas convidados, os melhores shows que vi (sem ordem de preferência) foram: River Raid, Erro de Transmissão, Amps & Lina, Black John Band, Risko HC e Nark.
Só faltou um pouco mais de cuidado no som de alguns shows, mas isso acontece em todo festival. No mais, parabéns à organização do Pátio do Rock 2007 e às bandas que tocaram.
Já estou ansioso para conferir a quinta edição do evento.    
  

Posted segunda-feira, novembro 26th, 2007 under Coberturas.

38 comments

  1. Dom Pedro (Risko Hc) says:

    Po nós gostariamos de agradecer a todos os que compareceram ontem a noite do Punk Hardcore!
    Agradecer ao evento que foi muito bem feito e organizado, agradecer tabem ao assistente de palco que nos ajudou muito!

    Falow!

  2. Bárbara claudino. says:

    ..sucesso para todos ae…

    flw.

  3. Hugo vc tirou as palavras da0 minha boca

    ontem foram inesquecivel

    riko nark putz sem comntario

  4. O show da NARK, Ugly Boys, Risko hc, foi muito massa caras .;.

    muito bom e bem feito o evento ..

    abraço a todos ,

  5. Sara Siqueira says:

    O show da Risko HC realmente empolgou a galera, muito bom mesmo!
    As outras bandas estão de parabéns também ;)

  6. Queria eu que tivessem eventos assim sempre… Achei do caralho todas as bandas sem exceção. Mesmo sem gostar de grindcore, que é o som do Risko hc, o show dos caras tb foi massa. Nark foi foda tambem. Mas as q eu mais gostei foram Ugly Boys e Unlucky Seconds.

  7. DOMINGÃO ANIMAL ESSE!

  8. Domingo consegue dormi feliz !!!

  9. posso mal esperar pro proximo show de voces!

  10. Bom, vai ter muita gente me chamando de chato, mas vamos aos fatos:
    1 – que estereótipo babaca é esse de dizer que ” a maioria punk é suburbano,trabalha de segunda a sexta e ficaria melhor se o show fosse no domingo???”, como se ninguém trabalhasse na segunda….
    2 – público n compareçeu EM MASSA pq -alguns assim como eu, boicotaram mesmo, não apareçendo – mas pq a estrutura não foi boa ( vide a matéria no JC de ontem 26/11/07), eu n andaria por ali as 11 da noite, numa rua vazia e sem 1 policial pra dizer ” tô aqui”…. a organização deveria ser mais atenta ás questões dos horários e da SEGURANÇA no local.
    3 – quem disse que o público n dá a minima pra musicas autorais??não q as bandas n tenham o direito de tocar covers, mas pq ser tão óbvio???Pq os metaleiros fazem o público “bater-cabeça” sem tocar covers????analisem…
    4- Muito bom que as bandas tenham empolgado a galera.Ugly boys é muito legal sim.MAs o que aconteçe é que a “mídia” deveria ser mais criteriosa, as bandas daqui não decolam justamente pq as críticas sempre vão para “os covers”, “a roda punk”…cadê a descrição das musicas e letras????

    acho que o site e todos os outros meios de veiculação das bandas alternativas recifenses, não deveriam usar o “tapa-olho-de-cavalo”, e abrir oportunidades pra as bandas que realmente são relevantes!todas essas são e existem muitas outras por ai…
    mas como diz um amigo meu…
    o rock morreu faz tempo….

  11. hebert morreu pra tu
    pra mim nao. que fui pro show e me diverti muito com as proprias e com as cover das bandas de otima qualidade que pra mim o rock tah vivendo de novo e crescendo com essas banda
    tome um suco de maracuja

  12. Vamos lá, Herbert:

    1 – não quis ser preconceituoso com o comentário. Ao contrário, quis desmistificar essa onda de que “punk não trabalha nem estuda”. Acontece que acho que a noite de domingo deveria ser mais light, e colocar o punk/hc no sábado. Porque a noite de sábado não deu tanta gente assim, e tenho certeza q daria mais se fosse para este público, que, ao exemplo do de metal, é bem fiel…

    2 – Realmente foi uma saraivada de cover, mas não vi ninguém reclamar. Eu gostaria de ter escrito mais sobre o trabalho das bandas, mas por problemas de estrutura (nossa)e de cansaço (meu, pois já era o terceiro dia direto no ar), acabou saindo um texto mais sintético, reduzido. Tomarei mais cuidado com os próximos.

    3 – Achei fantástica a seleção das bandas. Cheguei a comentar com Cannibal que não vi nenhuma ruim (e olha que sou chato pra c……). E lamentei muito não poder comparecer ao dia dedicado ao metal (problemas pessoais me impediram).

    4 – Concordo com vc: infelizmente a região do Pátio de São Pedro é esquisita, deserta e propícia à assaltos. Mas o Recife todo, infelizmente de novo, está assim…

    5 – Valeu pelos comentários! É sempre bom encontrar críticas da crítica aqui. Elas são sempre bem-vindas, ainda mais quando colocadas de forma educada…

    Abraço, velho!

  13. Joey…

    quantos anos vc tem? acho q vc se diverte com qualquer coisa que te colocam pra ouvir….eu nunca teçi comentários com tamanha calma e paciência…se eu tomar seu recado e beber um suco de maracujá, eu acabo de dormir….

    Hugo

    Existe algum critério para análise das bandas postadas no site recife rock?PQ eu tive a ligeira impressão de que a maioria das bandas selecionadas estão cadastradas aqui no site…se eu estiver errado, me prepara um suco de maracujá…

    quanto aos shows, não adianta mais falar nem cutucar defunto…já passou, foi legal pra uns,poderia ser melhor pra outros, vamos esperar o próximo!

  14. Hebert,

    Você fala do Guia do Rock? O único critério é a banda ter feito um mínimo de três shows. É aberto para qualquer uma.

    Aliás, ele anda bem desatualizado. Estamos vendo ainda a melhor maneira de integrar todo o site a este novo sistema que estamos usando, o WordPress.

    O lance é que nenhum de nós aqui é programador, nem temos grana para pagar um. Então precisamos aprender como fazer, antes de executar. A idéia é que o sistema fique aberto para a própria banda se cadastrar, mais ou menos parecido como é na Trama Virtual e no Overmundo.

  15. sim, me referia ao guia do rock…
    conheço algumas bandas de alguns de amigos meus, e que tentei fazer o cadastro nesse site, isso já de longa data, e até agora, nada,ok, problemas desse tipo sempre aconteçem….bem,como vc explicou isso vai com o tempo e os programas mesmo…

    a banda deve ter no minimo 3 shows,ok.Deixam de lado o potencial artistico, a produção dos cds ( e nisto eu incluo: qualidade da gravação, as composições em sí, arte gráfica,etc..) histórico das bandas e todo o resto, pela mera quantidade de shows????

  16. hherbet, tu é um otario, cala a boca mane hahahhaa
    fudido do carai

  17. Maria Luiza Marinho says:

    NARK!!!!!!

  18. Cara, a idéia é que seja um banco de dados, entende? É catalogar e não selecionar. Um banco viral, que se contrói a partir disso. Agendas e outros conteúdos que se conectam a partir das bandas. O filtro vem de outras formas, com resenhas e coberturas.

    Se você pensar bem, uma banda que conseguiu fazer vários shows na cidade então tem algum potencial. Seja artistico ou de articulação.

    Produção de CDs é relativo também. Temos muitas bandas boas que não tem sequer um CD gravado. Acho que seria burrice, no ápice da Internet, classificar uma banda porque ela lançou prensou um CD. Ou porque tem uma boa arte no encarte.

  19. Joey…
    não preciso me rebaixar á seu nível…não uso pseudônimos pra expor o que penso!Se vc não tem conteúdo pra debater algum assunto é melhor ficar quieto.
    conviva com suas incompetências e vá tentar ser feliz!

    Bruno

    a idéia de ser como um banco de dados muito boa, mas precisa de atualizações, sempre!

    Sobre a seleção de bandas para festivais:

    Vc falou algo pertinente. O ápice da internet…realmente, pra que se faça um catálogo num site de divulgação, realmente não se precisa de uma arte gráfica super-trabalhada nem de prensagens….mas e pra seleção de um festival ( como foi esse, por exemplo),de bandas independentes? Eu entendi bem o que vc expôs, mas vc tem que concordar comigo que isso seria um critério meio “vago” por assim dizer na classificação de bandas para um festival…pq no geral existem bandas que fazem muitos shows, mas n tem trabalho gravado,e vice-versa.Eu acho que assim…por estar analisando apenas em cima dos shows, o que aconteçe é que as bandas que tramparam pra levar o material pra vcs, vão ficar de fora! e as bandas que n tem material e fazem bons shows…vão soltar aquelas “saraivadas de covers”… e no fim das contas as matérias vão acabar se voltando á isso ( bastar ler essa mesma resenha),então, como falar da cena alternativa recifense, se as próprias bandas não tem um trabalho autoral relamente interessante?o jornalista vai falar da “cena alternativa cover recifense” é?
    Por exemplo,conheço os caras do Pluguins e da Echo, são bandas que fazem uma boa média de shows, ( a Echo nem tanto, mas eles fizeram bom show no clube ferroviário de jaboatão e vao tocar dia 16 perto da federal), e a pluguins vai tocar no Rock in Piedade. As duas fazem shows por ai, tem material gravado e ficaram de fora desse festival…
    Então, se o critério de seleção de bandas é a quantidade de shows, (levando em conta o que vc disse)pra que as bandas teriam que levar o material na casa 04???

  20. ´so mais uma coisa pra fecharmos essa boa e elucidativa conversa….

    das 96 bandas que mandaram material pra esse festival, vcs escutaram TODOS os cds????

  21. Você confundiu. O critério dos shows é para o Guia do Rock, não para o festival. Uma maneira mais simples de dizer que, para entrar lá, a banda só precisa existir. E qual banda existe? Aquela que faz shows!

    O Pátio do Rock teve como principal restrição não escolher bandas que já tocaram em grandes festivais locais. E tiveram muitos inscritos assim, por mais incrivel que pareça (o Matalanamão, por exemplo).

    Não posso responder por todos os membros da curadoria. Mas eu particularmente ouvi todas os 96 discos sim. No Microfonia a regra era escutar todos juntos, então facilitava o debate sobre os selecionados. Antes de começar o trabalho sempre discutimos muito alguns critérios (ano passado chegamos a considerar uma foto da banda, por exemplo, que acabou não sendo obrigatório).

    Tem muita coisa que entra em questão… principalmente o potencial da banda. As vezes uma banda não tem grana para fazer uma boa gravação, nem conhece alguém que possa fazer uma arte legal. Mas lendo e ouvindo o material deles você sabe que tem algo ali que vale a pena.

    No mais, a seleção é também uma votação. Poucas bandas são unânimes (acho que só a Lethal Virus e o River Raid que foram esse ano). Algumas não entram por um voto, as vezes rolam empates, etc. Existem essas variáveis que também definem a seleção. No Microfonia passado a minha última escolha, por exemplo, foi a Monomotores, que acabou vencendo pq recebeu outros votos.

    O mais importante é você saber que elas não estão fora de nada. Não tocaram nessa edição, mas podem tocar no próximo. O Pátio de São Pedro promove ainda o Sábado Mangue, todas as semanas. E agora tem o material dessas bandas arquivados lá, para poder chama-las para tocar outros dias.

    Como o Pátio tem muito material de banda, o festival foi uma maneira encontrada para dar conta de selecionar vários deles para tocar de uma vez só. E também para atualizar o banco de dados deles de grupos da cidade!

  22. Aliás, um exemplo muito claro disso é a Julia Says. O show do Pátio foi o segundo delas. Quando mandaram material, durante a seleção, ainda não tinham feito nem o primeiro. =)

  23. Herbert,

    acho que o guia está desatualizado há mais de um ano. A idéia é criar uma ferramenta em que as próprias bandas atualizem suas páginas no guia. Mas vai demorar ainda.

    vc não tem idéia da quantidade de e-mails de bandas que recebemos pedindo para atualizar suas páginas. É humanamente impossível de fazer. Por enquanto vai ficar do jeito que está mesmo. Até porque quem cuida disso tudo é uma pessoa só, (Guilherme) que acaba ficando sobrecaregada. Eu não entendo patavinas de programação, e sequer sei postar uma foto no site. Me limito ao que sei fazer, que é a parte jornalística…

    pode não parecer, mas a gente não tem essa influência toda junto aos festivais. Cada um possui uma curadoria própria. Este ano (como no passado) Guilherme fez parte da cuaradoria do Pátio do Rock, e escutou um a um todos os Cds, até os de banda gospel…

    no mais, Herbert, acho que quase TUDO pode ser questionado sobre o RecifeRock: qualidade dos textos e das matérias, do visual, da lentidão para ser atualizado e etc. Mas tem uma coisa que não abro mão: trabalhamos com seriedade e honestidade. E este é o meu maior orgulho. Em quatro anos, ninguém pode questionar isso…

    Abraço!

  24. Bastante elucidativo esse papo…esclareçeu um mote de coisas que eu gostaria de saber há um tempo,inlcusive a confusão que, por falta de atenção minha,fez com q eu fizesse um comentário longo ( deve ter sido um saco ler aquilo tudo né?rsrsrs)….Não quis por em dúvidas de forma capiciosa o trabalho de ninguém…e se pareçeu isso ( de forma involuntária) não foi essa a intenção, apenas pra esclareçer qualquer dúvida…posto isso…
    Seria interessante que nos próximos, eses critérios de avaliação fossem divulgados, bem como os nomes de quem está na curadoria de avaliação, para que se evite confusões, como o notório caso do PE no rock, que pelo visto, não vai rolar trasnparência mesmo….
    No mais….fiquei bem satisfeito com as respostas dadas aos meus posts….espero que esse canal de comunicação perdure, para eventuias duvidas, elogios e reclamações tbm….
    abs á todos.

  25. recife rock também é cultura.

    rsrsrsrsrsrsrs

  26. Cara, divulgar a curadoria com antecedência é algo delicado. Sempre tem banda de má fé, que procura antes e tenta de alguma forma burlar o processo. Não precisa ser nem tentando pagar, só enchendo o saco mesmo com o velho “dá uma força, dá uma força”.

    O lance é a galera criar confiança em quem está produzindo o evento. Conhecer quem tá fazendo e etc. Não é uma surpresa o que aconteceu com o PE no Rock, pq o produtor *sempre* esteve envolvido em roubadas, só que a galera se esquece. Mas uma vez ele organizou o sorteio de um carro no Todos com a Nota em que ele mesmo foi o vencedor. :P

  27. meus piranha da risko e emo extremo mo vei!!!!

    quem não aguenta que corra agora o bicho pega no ibura dia 12/01 com eles

  28. então…… n digo divulgar a curadoria com antecedencia,pq realmente poderia aconteçer o que vc disse,mas depois de todas as bandas mandarem seus materias, pelo menos o critério de avaliação poderia ser divuLgado.Para q se tenha a noção DO QUE é q vai ser realmente analisado das bandas…
    Bem, espero que as bandas que citei e outras bandas que ficaram “de fora” deste festival, tenham a oportunidade de mostrar seus trabalhos em breve….sou amigo dos caras e vejo a ralação deles!!!
    No mais, espero que a galera aqui tbm aumente o nível dos posts….pra q esse site se torne um bom ambiente….e não um antro de posts de moleques mal resolvidos.
    abs á todos!

  29. Querido hebert:
    você fica arrotando termos do tipo “ah nossa, bastante elucidativo esse papo”, mas será que vc não se tocou que por trás de tudo vc só falou as mesmas merdas de sempre?
    Você tenta parecer “a voz da intelectualidade em meio aos acéfalos” e escreve com a erudição de quem saiu da 8a série. Ficou claro que o teor da seus comentários foi de puro recalque porque provavelmente a sua banda, ou a banda de seu “melhor-amigo”, não foi selecionada.
    Meu conselho a você é que tente ser claro e objetivo ao invés de pseudo-intelectual. Você acha que o “guia do rock” desse site deve ser restrito? Música é democracia, é independência. Por acaso você acha que as bandas que foram selecionadas tem um material pior que a sua? Você se deu ao trabalho de ver o delas? Você esteve presente no evento? Espero que sim, porque senão meu caro, vale o seguinte dito popular: “Em boca fechada não entra mosquito”.
    O Pátio Do Rock desse ano foi melhor que muito show merda que rolou por aqui esse ano. Trabalhe mais ao invés de ficar tentando chorar o leite derramado aqui. Que o seu inconformismo resulte em ação.
    Até mais.

  30. Fields, voce colocou pra fuder, e é a verdade.
    parabens..

  31. FIlds

    1 – Não tenho que lhe dar satisfação alguma sobre minhas opiniões e duvidas!Se algum post meu lhe incomodou de alguma forma, não posso lhe fazer nada.Muito do que eu falei aqui é a mais pura verdade.FIcou claro que seu poder de percepção é bem restrito, já que vc acha que tudo o que falei até agora ” é mais do mesmo”…

    2 – Vc pode me pré-julgar da maneira que quiser…”pseudo-intelectual” ” voz da intelectualidade de n-sei-o-quê”(E JÁ QUE VC SE INCOMODOU COM -NA SUAS PRÓPRIAS PALAVRAS- POSTURA DE INTELECTUAL NO MEIO DOS ACEVALOS – DEVE SER PQ A CARAPUÇA DE “DESCEREBRADO” LHE SERVIU), não tenho problema algum com suas interpretações…até pq vc é livre pra pensar a merda que quiser…agora, acho que vc quer desenvolver algum tipo de “poder-pára-normal”, pra tentar descrever de forma introspectiva o que se passa na cabeça de alguém, apenas lendo um post num site de divulgação de bandas….(neste momento, estou quase caindo da cadeira de tanto rir com o seu texto!)

    3 – Como disse antes, não preciso he dar satisfação de ordem nenhuma! quem é vc? o que vc faz?è alguém importante por acaso? LHE DEVO ALGUMA SATISFAÇÃO??? o que te interessa saber se eu fui ou deixei de ir pro festival?Eu comento alguma coisa dentro do que EU sei…não fico nessa de “supostamente” ou “Possivelmente”….a pior coisa é teçer comentários sem conheçimento de causa, e se vc tivesse o mínimo de atenção, saberia se eu fui ou não….mas como vc vestiu a carapuça, não deve ter percebido…

    4 – SE meus amigos das bandas não participaram desse festival, o problema é todo deles!Garanto á vc que os caras não ficam esperando apenas esse festival….Como se isso fosse mudar a vida deles…

    5 – Julgar ou pré-julgar, sem conhecimento de causa tem nome: Leviandade!VC n me conheçe, nem nunca irá conheçer…a única coisa que posso fazer é lamentar por vc ter que conviver com isso em sua persona….

    Joey…

    GRandioso comentário seu…realmente fiquei impressionado
    sem mais!
    hauahauhuahauha

  32. hahahha herbert..voce recuou, ficou com argumentos de pirraia de 3 serie..
    deve ser um mermo, pegou ar mesmo em boy?

    qual o proximo texto q voce ira escrever?
    pede pra sair cara

  33. Uma probabilidade abre lacunas para dois ícones: ser ou não ser. Fatos não abrem espaços para probabilidades. O fato é que esse show foi um show mediano.Não foi nenhma obra-prima do rock independente não!
    Não adianta discutir muito…..teve muito show bom esse ano (melhores até que o referindo festival) a maioria fora do circuito “centro do recife/recife antigo” e que muita gente não viu, pq se restringem á essa área ou pq são pessoas acomodadas que não procuram se informar. Em Jaboatão mesmo, teve muitos shows bacanas e BEM ORGANIZADOS, bem como em Paulista, Abreu e LIma e em vários outros lugares da RMR.

    Muita gente usa o “tapa-olho-de-cavalo”, e esse é o grande problema.Ficam de fora de muita coisa boa que rola por ai , e sem conheçimento de causa, abrem a boca pra falar que não houveram bons shows esse ano….informação é o melhor remédio contra a ignorância.

    Rock – rest in peace ….

  34. JOey…

    quem recuou aqui???vc sabe ler e INTERPRETAR um texto???

  35. e por favor….pare de sujar o Nome de Joey Ramone e tenta achar outro pseudônimo….vc faz com que ele se revire na tumba…..

  36. Joey Ramone says:

    ihhh recuou..mané
    hahahhahaha
    voce so escreve besteiras..”brobabilidade abre lacunas” vai pro inferno donzelão
    hahhahahha

  37. Joey Ramone says:

    suabandinha é ruim, ficou de fora, voce ta cm raivinha e cabousse..hahhaa

  38. CAra, alguém ja te disse que calado vc é um poeta??A partir desse ponto eu não discuto nada com vc pq seus argumentos são tão fortes quanto sopa de asilo……vai escutar seu som EMO e vai ser feliz com suas infantilidades, ao invéz de ficar ocupando espaço!

    e passe bem!