Cobertura: Shaman no Armazém 14

Por Recife Rock! em 2 de junho de 2008

Nova formação do Shaman faz show no Recife

por Mirrelle Cordeiro

Após quase dois anos e meio sem dar o ar da graça em Pernambuco, voltou a tocar, no palco do Armazém 14 no domingo (25), uma banda totalmente desconectada – não dos instrumentos, mas de tudo que se entende ser uma banda. Eis que o Shaman retorna a casa. Isso porque foi no Recife que, há cerca de sete anos, estreou a nova banda do André Matos e de ex-integrantes do Angra.

A tentativa de retomar as atividades da banda não tem rendido lá essas coisas. Com a saída de André Matos e dos outros músicos, a proposta da banda deixou de ser a apresentação de um trabalho original para se transformar numa cópia mais do que mal elaborada dos bons tempos de Shaman. Se com o lançamento do álbum “Immortal” a intenção era não “perder a cara mística” de outrora, a nova formação terminou conseguindo deixar mais do que claro que o verdadeiro Shaman não apenas morreu, mas consolidou a sua inexistência.

A banda local Caravellus abriu a noite. Em seguida, o público seria prestigiado com o Terra Prima, mas, com o atraso de três horas na passagem de som devido a problemas no ajuste dos equipamentos da atração principal da noite, a banda recifense se atrasou e foi a última a tocar, fazendo show para apenas trinta “sobreviventes” no final da noite .

De volta ao Shaman: No palco, os músicos entraram ao som da música instrumental “Renovatti”, primeira faixa do novo CD, num clima de companherismo forçado e entrosamento zero. Os fãs receberam os músicos educadamente, mas não houve euforia. Principalmente aos 15 minutos de show quando entrou o primeiro “cover” – a música “Turn Away”. Não só ela, como as cinco músicas dos álbuns anteriores que foram tocadas mais pareceram covers do que um trabalho do que ainda se chama “Shaman”.

De Shaman mesmo, só constava o Confessori, que também não é mais o mesmo. Não por causa do novo corte de cabelo, e sim pela performance dispersa e erros grosseiros que vem cometendo no palco. O novo vocalista, Thiago Bianchi (ex-Karma), mal sabia as letras das composições antigas e, entre uma enrolação e outra, levou o público na conversa com agudos bruscos e suas famosas dancinhas improvisadas.

Mas ainda não foi a dancinha do Bianchi o que surpreendeu. No fim do show que começou contabilizando cerca de 200 pessoas e que no decorrer dele podia-se contar pouco mais de 100, a banda não errou ao encerrar sua apresentação tocando um dos maiores sucessos do Angra, “Carry on”. Tocada em tom diferente da versão original, a canção não foi a única a compor a bem sucedida tentativa da banda de agradar o público. “Nothing to say” também integrou o repertório, assim como “Aces high”, do Iron Maiden. E, apesar delas demonstrarem o amadorismo do conjunto, também foram bem recebidas.

9 Comments

  1. Hélton
    Posted 6 de junho de 2008 at 2h41 | Permalink

    vc eh patetico cara

    o show foi bom e o thiago bianchi não errou letra nenhuma
    e vc provavelmente não foi ao show, porque todos que foram gostaram

  2. Guilherme Moura
    Posted 6 de junho de 2008 at 7h07 | Permalink

    Hélton,

    Todos não. A autora do texto não curtiu muito.

  3. Shamaníaco
    Posted 7 de junho de 2008 at 1h14 | Permalink

    Ai ai Mirrelle… Me desculpe, mas vc tb deve ser uma das viuvinhas do antigo vocal, né?! Faz o seguinte…. Vai curtir o show dele e deixa o novo Shaman em paz, ok?! Ah, esqueci, não vai dar, né?! PQ?! A banda do antigo vocal do Shaman mesmo com cachê BAIXÍSSIMO não consegue marcar shows…. Então, como disse no começo do meu texto, REALMENTE ME DESCULPE….

    E já que você afirmar ter feito a cobertura do evento, cadê as fotos?! Até onde eu sei, cobertura exige fotos e a menos que eu esteja cego, não vejo nenhuma!!!!

    See ya

  4. Guilherme Moura
    Posted 7 de junho de 2008 at 9h41 | Permalink

    Cobertura exige foto ? :) e xerox de cpf e id autenticada, não ?
    Deixem de viajar. Aqui no RecifeRock não tem ´resenha ninja´/inventada. Argumentem, defendam as bandas, falem o que tem de positivo (ou de negativo)… mas sem forçar a barra, por favor :)

    Parece que esse segmento do Metal Melódico Brasileiro deu uma saturada aqui no Recife. Lembro de ter show com 3-4 mil pessoas por show no Recife (tocava até em novela). Acho que público cansou. Será que não foi isso ? não falta novidade ou renovar o público ?

    O público desse nicho de metal não é bobo. Todos são bem seletivos, talvez isso explique a falta de público nos últimos shows.

    g!

  5. thiago
    Posted 9 de junho de 2008 at 17h52 | Permalink

    hduhasudhauhuads oq se esperar de uma banda q busca sucesso em emcima do nome de uma banda q o andre feiz crescer eh isso ai estão em plena merda e o novo vocalzinho dança como uma biba nojenta alem de errar letras etc. dshauhdusa bem feito

  6. Posted 10 de junho de 2008 at 4h35 | Permalink

    cala a boca menina!foi um puta show! com ctza voce é amiga de algum da banda que ia abrir o shaman e naum abriu e ficou com raivinha pelo seu namorado que naum faz sucesso

  7. Viviane
    Posted 10 de junho de 2008 at 19h01 | Permalink

    Pessoal do reciferock, não liga pra esses fas bitoladinhos.Esse shaman é um lixo mesmo e trouxa eh quem vai num show desses aguentar berrinhos e musica chata.

  8. Posted 11 de junho de 2008 at 1h29 | Permalink

    Bem… Tem um monte de comentário aqui que nem dá vontade de responder. Inclusive uns aí que falam de mim… pq todo mundo sabe q o Terra Prima não tocou antes do Shaman por conta de erros da gente mesmo de cálculo de tempo então não convém ficar falando sobre o assunto.

    Quanto à cobertura eu até achei exagerada em alguns pontos, pq achei a banda boa ao vivo, CLAAAAARO E ÓÓÓBVIO que não era o Shaman, era qquer outra coisa, mas não o Shaman. O show deles foi bom, instigante, o Thiago canta bem, mas de fato enrolou algumas letras, mesmo usando um livretinho com as letras todas na frente do retorno de voz.

    Enfim… um show nota 5 se tratando do Shaman e nota 8 se tratando de uma banda nova.

  9. Mirrelle Cordeiro
    Posted 12 de junho de 2008 at 16h01 | Permalink

    ESCLARECIMENTO:

    A banda Terra Prima NÃO atrasou a apresentação no show por causa do Shaman. Foram problemas com a própria banda. Como a passagem de som ia ser bem antes do show, a banda não levou todo material necessário e, ao voltar para casa para buscar, não retornou ao Armazén 14 a tempo de tocar no horário estipulado.

    Ps. Tinha que dizer isso com todas as letras porque houve problema na interpretação do texto. Acharam que pus a culpa no Shaman pelo atraso na apresentação do Terra Prima. Não foi isso que foi dito aqui.