Resenha: Mombojó – “Amigo do Tempo”

Mombojó – “Amigo do Tempo” (2010/Independente)
Escute: Mombojó – Casa Caiada

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Nunca é fácil explicar um disco do Mombojó. É o tipo de banda que desafia o ouvinte a cada faixa. E tal ousadia sempre paga lá o seu preço. Há o risco de não ser compreendido por quem espera um som mais pop e de fácil assimilação. Ou seja, de serem rotulados de inacessíveis, “banda difícil”, hermética. E a glória de cair nas graças de quem gosta de ser desafiado, estimulado a entender cada fragmento de som e de letra. Ou a indiferença de quem adota a equação do “não entendi = arte”.

Enfim, todos terão razão. Vai depender muito do gosto do freguês, como tudo na vida. O que mais impressiona no caso do Mombojó é que eles parecem não forçar a barra para parecer isso ou aquilo. Apenas são. E “Amigo do Tempo” talvez seja o trabalho deles que mais evidencia isso. Se as letras já pareciam colchas de retalhos, onde as partes fazem muito mais sentido do que o todo, a coisa aqui é elvedafa até as últimas consequências. Eis algumas frases que você encontrará durante o caminho de “Amigo do Tempo: “Quem agrada não descansa”. “Um certo autismo me salva”. “Os atentados nunca acontecem aqui”. “O seu sorriso não lembra mais de mim”. “Não sou mais quem fui”.

O som segue a mesma lógica. Não por acaso, a canção mais pop e ensolarada do disco foi escolhida para fechar o trabalho. E, embora com todos esses obstáculos até a chegada de “Papapa”, o álbum é quase impecável. Peca na chatice e na monotonia de faixas ( coladas) como “Triste Demais” e a canção-título. No mais, o disco, com toda sua suposta dificuldade, flui lindamente. Como na leveza pop da abertura, com “Entre a União e a Solidão.” Antimonotonia” não apenas faz justiça ao título como traz várias músicas em uma só. “Qualquer Conclusão” não é de fácil acesso, mas ainda carrega um frescor pop. Um dos grandes achados do disco é o trabalho de guitarras. São discretas quendo necessárias, pesadas nos momentos certos, quase imperceptíveis em alguns casos.

Em suma, quem sempre torceu o nariz para o Mombojó vai torcer ainda mais com este disco. Quem é fã, descobrirá o óbvio: eles amadureceram. E tiveram motivos de sobra para isso.

Minha única certeza: em tempos de download, eis um disco que merece ser materializado.

Lista de Músicas:
01 – Entre a União e a Saudade
02 – Antimonotonia
03 – Passarinho Colorido
04 – Justamente
05 – Qualquer Conclusão
06 – Praia da Solidão
07 – Casa Caiada
08 – Aumenta o Volume
09 – Triste Demais

10- Amigo do Tempo

11 – Pa Pa Pa

Posted quinta-feira, julho 29th, 2010 under Destaques, Discos, Resenhas.

Tags:

12 comments

  1. Ótima análise. Já havia gostado do álbum, e agora reparando em tudo isto gosto ainda mais.

  2. Perfect Stranger says:

    Essa banda é uma das lideres das bandas cús de Recife, dentre elas estão: Volver, Eddie (vocalista com voz de pato), Bonsucesso e outras assemelhadas.

  3. Já tentei umas 3 vezes ouvir o disco. Não passo da quinta música. Quem sabe mais tarde…

  4. Não entendo esta Idolatria da Imprensa com o Mombojó. Essa galera não saca nada de música! Banda ruim, sem sal, não dizem a que veio, Assim como a citada bomsucesso. Saudade dos tempos qeu Mestre Ambrósio, Nação, Jorge Cabeleira, A Roda faziam show pelo menos a cada 2 meses nesta cidade.

  5. Parabéns meninos, pela produção independente , muito legal .
    e o cd superou espectativas , muito bom.

  6. que coisa ridícula esse vídeo, parece gozação, trash mesmo, onde vamos parar? olha a roupinha dos caras, já meio velhinhos para isso não acham? mas numa terra que tem China na mídia e toda a galera da prefeitura das olinda mandando em tudo tá bom demais!

  7. Flávio Silva says:

    Como o montarroyos falou : “Em suma, quem sempre torceu o nariz para o Mombojó vai torcer ainda mais com este disco. Quem é fã, descobrirá o óbvio: eles amadureceram. E tiveram motivos de sobra para isso.”

    Tudo tem seus dois lados, porque o gosto de cada um seria diferente…

    Parabéns a banda que curto desde a memorável “Radio Cidade…” Vocês são singular !

  8. É uma pena que existem pessoas que não gostam de Mombojó, não sabem o que estão perdendo… Eu particularmente gosto demais véii, e dou o maior apoio aos caras; o son é diferente de qualquer outra banda!

  9. É a seguinte premissa: se é de Olinda, então vai estourar e vai ser um sucesso kkkkkkkkkkkk parece música de circo ou do balão mágico!

  10. o pessoal aqui ta apelando cada vez mais, fiquei constrangida ontem vendo o Mombojó no salão do vmb travestidos de Jaspion; o velho e bom midiático Otto fazendo a única coisa que sabe que é abraçar a todos, o rei da Social, e incrível como antes todos metiam o pau na mtv e hoje vendem a alma para ali estarem. Chego a conclusão que o maior empresário cultural de Pernambuco é a prefeitura de olinda, que não sei como não enfiou na festa de ontem a orquestra conteporânea na goela dos paulistas e percebo também que estamos totalmente descolados da realidade vivendo numa grande mentira. O que sustenta na verdade a carreira destes são as festas que acontecem na cidade, como são João, Carnaval, Natal, Sete de Setembro, Dia das mães e dos pais, dia das Crianças, Dia do Trabalhador, dia do Fico, Revellion, dia do motorista de táxi, dia das empregadas domésticas, dia do Metroviário, dia da proclamação da República, dia dos picaretas e todos os shows patrocinados por prefeituras do Estado. A farra nunca esteve tão boa;;;;;;;;;;;;;;;;;mas suceso que é bom só entre nós mesmos.

  11. O que é mais engraçado é que só a críticas ao Mombojó daqui de Pernambuco, nunca entendi isto não se valorizar o que é nosso. Você que não gosta das bandas Pernambucanas pelo menos não desmoralize, se não gosta respeite, que são boas haaaa, são tem muita gente do Brasil dizendo isto. Talvez se nós valorizarmos mais as bandas não vão mais precisar procurar quem valorize(Migrar para sul). Pesem nisso.