RESENHA: Maquinado – Homem Binário

Por Hugo Montarroyos em 20 de junho de 2007

Maquinado - Maquinado (2007/Trama)
MaquinadoMaquinado (2007/Trama)

Lúcio Maia fez um álbum estranhamente belo. À frente do projeto Maquinado, cercou-se de amigos para gravar antigas idéias que soariam dissonantes em um álbum da Nação Zumbi. A pergunta aqui é: precisava? Não. Lúcio já é um dos principais nomes da guitarra no Brasil desde a década passada, chegando a ser responsável pelas guitarras do álbum de estréia do Soulfly, não à toa o melhor trabalho da banda de Max Cavalera. O que leva então um guitarrista consagrado de uma banda consagrada lançar um álbum solo? Explorar elementos que não cabem em sua banda, oras. E é engraçado, pois a guitarra é o instrumento que menos aparece no disco. Ela fica quase sempre ao fundo, cheia de efeitos e apenas servindo de coadjuvante para que outras facetas brilhem. Assim sendo, é bom saber que boa parte dos quase 40 minutos de Homem Binário segue a fórmula “eletrônica-cabeça-distorcida-com-elementos-brasileiros-e regionais”. Tinha tudo para soar tremendamente chato (e por vezes soa mesmo), mas as batidas são envolventes e a criatividade acaba dando as cartas na maior parte do tempo. O disco é dividido em duas partes. Se a segunda pende para o cabecismo eletrônico/exótico, a primeira é mais visceral e interessante. Alados é uma ciranda psicodélica com participação de Siba. Arrudeia, que abre o disco, é trilha sonora de videogame transformada em arte. Tá Tranqüilo lembra o Planet Hemp dos tempos de Os Cães Ladram Mas a Caravana Não Pára. Sem Concerto é a mais simples, franca e direta, e justamente por isso é a melhor do disco. Agora, curioso mesmo é O Som, em que 70% da Nação participa. Não fosse o vocal tão característico de Jorge du Peixe, e dava até para dizer que se trata de outra banda.
No fim das contas, Homem Binário servirá para dar mais respaldo artístico ao guitarrista. É capaz de entrar na trilha sonora de algum filme. Mas dificilmente terá o mesmo alcance de sua banda de origem. Se o som da Nação já é considerado hermético, o do Maquinado não fica atrás. Era pedir muito um álbum acessível de quem se acostumou a se equilibrar nas linhas tortas do pop, do conceitual e do popular.

Cotação: Bom (4/5)

Escute: Maquinado – Sem Conserto
[audio:http://media.trama.com.br/tramavirtual/mp3/m_40/200678.mp3]
Escute: Maquinado – Arrudeia
[audio:http://media.trama.com.br/tramavirtual/mp3/m_41/205139.mp3]

Maquinado (divulgação)

21 Comments

  1. nanda fox
    Posted 20 de junho de 2007 at 14h13 | Permalink

    Não deixou link pra baixar, como faz pra baixar???

  2. reginaldo
    Posted 20 de junho de 2007 at 15h59 | Permalink

    Deixa o homem trabalhar!

  3. Hugo Montarroyos
    Posted 20 de junho de 2007 at 19h37 | Permalink

    Nanda, não tem para baixar. Pelo menos não de graça. O disco foi lançado pela Trama, que inaugurou recentemente um serviço de música paga na internet.

  4. Vinicius
    Posted 21 de junho de 2007 at 12h40 | Permalink

    http://sombarato.blogspot.com

    vai lá que tem.

  5. Lucio Maia
    Posted 24 de junho de 2007 at 9h23 | Permalink

    Puxa, como vc é entendido Hugo! Na próxima eu sigo teu conselho e coloco um emocore, ok?
    abrç `a todos do Reciferock.

  6. Jose Henrique
    Posted 24 de junho de 2007 at 18h47 | Permalink

    Será que foi o Lúcio mesmo que deu essa tirada de onda com o Hugo? eheheheh
    Mas Hugo, “respaldo artístico” o cara não precisa mais não.
    Nada em excesso é bom. :>)

  7. Posted 24 de junho de 2007 at 19h59 | Permalink

    Pô, Hugo. Fiquei confuso com uma observação sua. Não dá para diminuir um músico a um só instrumento né? Ele é guitarrista da Nação Zumbi, mas não é só tocar guitarras que Lúcio Maia sabe fazer. No disco, ele faz dezenas de outras coisas. Das bases de programação ao vocal.

    Acho que esse é o maior trunfo de Maquinado. Despertar para idéia de que cada membro da Nação já é uma banda por si só. Não por acaso, estão todos com um projeto próprio agora, de tanta necessidade de extravasar outros sons.

  8. rastahash
    Posted 26 de junho de 2007 at 19h44 | Permalink

    eu entrei aki esperando saber um poko sobre o disco…

    so me confundi mais com essa bosta de resenha…. foi mal ai hugo… mas vc podia aprender a escrever…

  9. ricardoB
    Posted 26 de junho de 2007 at 21h32 | Permalink

    Sou fã do lucio, qualquer que seja o som que ele faça. Mas, sinceramente, espero que ele faça um disco com a mesma fúria do 1º do soulfly quando ele cansar de MPB com rockfusion e partir com a Nação zumbi para o Heavy Metal mais Extremo….

  10. Jose Henrique
    Posted 29 de junho de 2007 at 3h02 | Permalink

    Comprei o disco hoje, muito do bom!!!
    “A guitarra é o instrumento que menos aparece no disco”
    Putzzzz, vc ouviu o cd, cara?
    Será que estamos falando do mesmo disco?
    É o MAQUINADO, do Lúcio Maia, da capa verdinha, que tem 11 músicas?
    Se for esse, tem guitarra pra caralho!!!

  11. Cara do Sul
    Posted 29 de junho de 2007 at 18h02 | Permalink

    Galera, o disco é ótimo. Lembrem-se: todo crítico de arte é um artista frustrado. Ou você acha que alguém vem ao mundo pra criticar? Claro que não, só quem não conseguiu fazer!!! Uhauhauahuahuah! Quem quer ouvir disco de guitarrista, compra Steve Vai e afins… Lúcio Maia é um músico e produtor, não está limitado a um instrumento. Pq o crítico não sabe isso? Pq não sabe!!! Se soubesse fazia! Uhauhauhauha.

  12. Eduardo Rodrigues
    Posted 1 de julho de 2007 at 16h02 | Permalink

    o disco é muito bom…é foda quando se espera algo q quer escutar, muitas vezes os críticos só esperam…

  13. fabio
    Posted 13 de julho de 2007 at 23h48 | Permalink

    em belo horizonte não encontra o disco o cidade atrasada. Lucio o disco ficou fudido parabéns.

  14. Posted 15 de agosto de 2007 at 3h23 | Permalink

    Olá Hugo,

    Estamos sempre lendo suas resenhas e críticas aqui no site e gostamos muito.
    Seria muito legal se vc pudesse escrever uma análise sobre nosso demo “Lindo Pé de Frutas Verdes”, com 6 músicas.
    Somos uma banda de rock, do Rio e estamos na estrada há aproximadamente 3 anos e meio. Já tocamos no programa Atitude.com da TVE, alguns programas locais da Rede Globo e nos apresentamos no Rio, Niterói e por todo interior do estado.
    Duas faixas de nosso álbum demo estiveram no playlist da Rádio Cidade e OiFm, no Rio.
    Gostaríamos muito de expandir nosso trabalho e saber o que pessoas como vc pensam sobre nosso material.
    Todas as nossa músicas e vídeos estão disponíveis em nosso site: http://www.mixiricas.com

    Desculpe pelo incômodo. Agradecemos desde já.

    Banda Mixiricas

  15. Posted 22 de setembro de 2007 at 16h00 | Permalink

    Cara o Hugo foi meio confuso em apresentar o disco mais foi valida a intenção.Agora eu acho q ele é um fã da Nação Zumbi assim como eu e só deve ter medo de o guitarrista larga a nossa banda querida pelo fato destes grandes vôos independentes.Ainda não ouvi o Cd e fiquei ainda mais curioso em ouvir depois desta resenha.Um abraço a todo e vem cá será q foi o Lúcio Maia q deu aquela tirada????rsrsrsrsrs inté……

  16. jonathan
    Posted 7 de janeiro de 2008 at 0h00 | Permalink

    Muito bom o disco… com certeza o melhor do ano e quem sabe de 2008. Alto nível. Mistura de sons e cores.. é isso aí, antropofagismo cultural!
    massa!

  17. Posted 8 de janeiro de 2008 at 17h58 | Permalink

    eu ouvi o DISCO e achei ES-PE-TA-CU-LAR.

  18. Charles
    Posted 15 de janeiro de 2008 at 9h43 | Permalink

    Gostei bagaray do CD. Ainda mais ouvir meu velho camaradinha Speedy. Esse malandro continua fodão. Valeu, Speedy!! Heavy Metaaaaaaaal!

  19. Posted 24 de julho de 2008 at 19h43 | Permalink

    Cara, Lucio é um desses genios que aparecem de vez enquando.O que se pode fazer é ouvir essa grande obra dele.Valeu

  20. suel
    Posted 16 de novembro de 2008 at 15h37 | Permalink

    Q loucura?ñ precisa de massa p/ficar louco é so curti o maquinado!O lucio tirou onda o cd estar mto massa.Homem binario é uma obra de arte musical,cultural e visual.Como assim respaldo?qum disse q lucio e a nação precisa d respaldo até pq quem tem 10 anos de carreira e continuam atuais comteporanios e futuristas ñ precisa d respaldo!alias NZ é a melhor banda do Brasil pelo fato da sua represantação cutural,musical,visual e ideologica.

  21. Fernanda
    Posted 4 de janeiro de 2009 at 19h02 | Permalink

    Cara…eu sou do MS! km e mais km de distância..
    e num é que o som massa do Maquinado chegou aki…
    Véio…o som deles é demais..
    Tipo, eu ja acompanhava o trabalho da Nação Zumbi, mas o Lucio me surpreendeu…
    Faz um rock claro, dboa..super p cima…
    Gostoso de se ouvir, que não pesa no ambiente…
    a mistura que ele faz com elementos eletronicos não muda a essencia…é simplesmente lindo!
    AH! as guitarras aparecem sim…e a parte de distorção que ele faz é mto ducaralho!
    bom…um recado p quem gosta: compre o disco..
    é mtooo bommmm…
    pra quem não gosta: compre! vc com certeza vai amar!

    flw galera!