RESENHA: Júlia Says

Por Hugo Montarroyos em 11 de outubro de 2007

Eis uma bela e novíssima surpresa a surgir absolutamente do nada. Na verdade “nada” é exagero, pois quem está à frente da empreitada é o já conhecido Paulo André, líder da bem-sucedida A Ponte. Só que aqui, no Júlia Says, o rapaz ousou ainda mais e conseguiu superar sua “banda principal”. A intenção parece ser confundir mais do que explicar. E o disco, dedicado às ambiências eletrônicas com overdoses de MPB e de rock (não, não é clichê), envolve o ouvinte do início ao fim do álbum.

O disco abre com “Eis a Canção”, música um tanto vacilante em que se sobrepõe à voz ainda frágil de Paulo André um violão bossa-nova com texturas eletrônicas. Mas o interesse real está na letra, que descreve o processo de inspiração e feitura da composição.

A partir daí a coisa vai num crescente sem fim. “Ondas e Barcos (Indicando a Direção)” é levada num groove com destaque para teclados e baixo, que dialogam com a música negra dos anos 70, em especial com a trilha sonora de “Shaft”.

“Barulho (água)” é o tipo de música que instiga a pergunta: quem são esses sujeitos? O grande segredo dela está exatamente em sua falsa simplificação, algo que gruda no ouvido e que prova que para se fazer boa música, na maior parte das vezes, é preciso apenas uma boa idéia na cabeça e deixar o resto fluir naturalmente.

Mas o melhor mesmo vem com “Mohamed Saksak”, que, em ritmo alucinante, conta a história de um homem-bomba, partindo de suas origens até as supostas manchetes dos jornais provocadas por ele. Coisa fina que melhora muito com o passar dos minutos.

Júlia Says, o álbum, é encerrado com “Aos Segredos Guardados Pelo Futuro”, em que a guitarra grita mais alto em meio à levada de cunho eletrônico e com pitadas de samba.

Outro detalhe importante é o projeto gráfico. O CD imita o formato de separação de faixas de um vinil, e vem envolto num plástico tal como as bolachonas que comprávamos em outros tempos.
Um disco cheio de nuances e detalhes fragmentados, que vale muito a pena ser escutado. Resta saber se funciona tão bem ao vivo. Até aqui, trata-se da grande revelação de 2007.

cotação – ótimo

link:
www.myspace.com/juliadisse
Julia Says (divulgação)

25 Comments

  1. Posted 11 de outubro de 2007 at 17h23 | Permalink

    O “já conhecido Paulo André” ta com td mesmo
    manda bem demais
    o som ta neurotico e dever ser muito melhoooooooor ao vivo concerteza..

    =]

  2. Jão
    Posted 11 de outubro de 2007 at 17h34 | Permalink

    Sai dai babão do caraio

  3. Guilherme Barros
    Posted 11 de outubro de 2007 at 17h49 | Permalink

    Paulo André,

    Fenômeno da música dinâmica está mostrando que a música pode ser renovada a qualquer momento independente do que se pensa ou faz ele véio pra ficar e para mostrar que em Pernambuco existe gente de qualidade e profissionalismo.

    Parabéns A todos que fazem parte desta equipe.

    Atenciosamente,

    Ghbarros

  4. Anthony Diego
    Posted 11 de outubro de 2007 at 19h37 | Permalink

    o myspace está errado…

    http://www.myspace.com/juliadisse

    esse é o certo!

  5. Vinícius
    Posted 11 de outubro de 2007 at 21h11 | Permalink

    Parabéns à dupla…

    O som ta muito massa!

    Poucos têm o meu privilégio de acompanhar tudo de pertinho e ver como a dupla ta se dedicando nesse projeto e evoluindo a cada dia. Júlia tem um som diferente de tudo, criatividade e ousadia que ainda vai dar muito o que falar.

    E que se faça justiça no mundo da música…

  6. Leidiane Francis
    Posted 11 de outubro de 2007 at 21h26 | Permalink

    Quando se ouve Paulo Andre lembra logo renovação, entao ele e Diego aparecem com um projeto novo e se superam…
    Julias Says ta mostrando que veio para ficar…
    e com certeza o show tambem sera renovador…
    parabens a banda

  7. Diego
    Posted 11 de outubro de 2007 at 22h16 | Permalink

    Mais um exemplo do jornalismo preguiçoso do Hugo, não se deu o trabalho nem de reler sua própria matéria e colou o link da banda errado. =P

    Estuda garoto ;)

  8. Diego
    Posted 11 de outubro de 2007 at 22h28 | Permalink

    Ah, sobre a banda, já conhecia e os caras fazem um som muito foda.

  9. Luíza
    Posted 11 de outubro de 2007 at 23h17 | Permalink

    Muito bom o som desses caras!
    adoro estar perto dessa “revolucao” musical!

  10. Posted 11 de outubro de 2007 at 23h51 | Permalink

    Realmente esses meninos têm se esforçado muito para fazer uma música ‘gostosa’ e que junta quase tudo que eu gosto XD

    o melhor de tudo, é ouvir antes de todo mundo =P

  11. David Uchôa
    Posted 12 de outubro de 2007 at 8h41 | Permalink

    Essa é a banda, o melhor de tudo Monkey ou melhor Macaco é q eu tenho o previlégio de ver o ensáio, como por exemplo: hoje aki em kza!!!!!!

  12. Posted 12 de outubro de 2007 at 10h34 | Permalink

    essa banda do Paulo é um fenômeno, ele realmente se superou, eu já disse isso pra ele :)

    FICOU DO CARALHO!! O SOM MEU VELHO!!

    E A CAPINHA MAIS AINDA :)

  13. Posted 12 de outubro de 2007 at 11h59 | Permalink

    Link corrigido. Erro meu, que não chequei…sorry…copiei do jeito q está no encarte…não utilizei a lupa necessária :)

  14. Posted 12 de outubro de 2007 at 13h03 | Permalink

    POis bem, estou louca pra comprar o cd e também pra ver ao vivo! Sucesso meninos! ***;

  15. Pedro
    Posted 12 de outubro de 2007 at 13h36 | Permalink

    amo voces :*

  16. Posted 12 de outubro de 2007 at 14h43 | Permalink

    velho nao sou muito fan desse tipo de som nao!!
    mais ouvi e é algo muito louko po!!
    quanto tiver algum show deles quero sacar como e ao vivo e em cores

  17. Posted 13 de outubro de 2007 at 17h53 | Permalink

    perai po!!

    então é disso que vcs gostam é!!

    muda ai o nome desse blog velho!!

    reciferock é foda!!!

    pera ai!

    paciencia!

  18. Luis Vitor
    Posted 14 de outubro de 2007 at 22h28 | Permalink

    Faz tempo que eu não vejo nesse site uma resenha tão cativante e com tanto esmero nos comentários música a música de um EP como essa agora.
    É bom pq o apoio de um formador de opinião valoriza o artista e cria curiosidade no público.
    Seria legal ver mais disso por aqui, afinal, são tantas bandas boas, influências e estilos diversos mas tão pouca mídia pra publicar opinião sobre elas.
    Agora, qual o cristão que pode definir exatamente oq significa ser “bem-sucedido” né. É complicado mesmo.

  19. Posted 15 de outubro de 2007 at 10h47 | Permalink

    Grande matéria e “pequena” grande banda que está começando e mt bem!!! Continuem com gás nesse projeto q promete muito!!! Parabens Pauliño e equipe!!!

    Abraços e sucesso, Lina

  20. Rique
    Posted 15 de outubro de 2007 at 11h46 | Permalink

    Boa sorte, Paulinho! Tbm tive a chance de escutar antes dos demais ;-]

  21. Posted 15 de outubro de 2007 at 13h35 | Permalink

    Luis Vitor; bem-sucedido, na minha opinião, é ser selecionado para as seletivas do Rec-Beat, pela revista Laboratório Pop (rolou até uns shows em Sampa e uma turnêzinha pelo país)e conseguir tudo isso com mídia zero.
    Aliás, Paulo André foi o único a me entregar material no festival No ar: Coquetel Molotov. Vacilo das outras bandas, pois tinha uma bela mídia forasteira (até Lucio Ribeiro) por lá…

    Valeu pelos comentários, Luis. A gente tenta melhorar sempre também. E às vezes consegue…

    Abraço!

  22. Posted 17 de outubro de 2007 at 11h16 | Permalink

    Muito bom!
    Trabalho digno de uma boa crítica!

  23. Posted 17 de outubro de 2007 at 16h22 | Permalink

    Eu adorei de paixão!

    Quando entrei no myspace, há umas semanas atrás, entrei pra ouvir uma música só pq tava com pressa… Mas não resisti e escutei tudinho…

    O som me pegou de surpresa. Surpreendeu.
    Vamo esperar ao vivo :)

  24. Posted 22 de outubro de 2007 at 20h15 | Permalink

    que massa …
    gosto muito da banda de voces
    ( eu conheço os caras!!)

  25. Posted 31 de dezembro de 2009 at 11h40 | Permalink

    que banda ruim du carai…porra!