Baixe a Coletânea da Revista O Grito!

O download é gratuito e tem como intuito promover novos artistas.

COLETÂNEA – REVISTA O GRITO – ANO 2
[Bazuka Discos, 2009]
Produção: Jarmeson de Lima
Arte: Zeca Viana

01. POCILGA DELUXE (PE) – Paris é uma Festa (4:55)
02. RETROFOGUETES (BA) – Vênus Cassino (3:28)
03. BINÁRIO (RJ) – Funeral (5:12)
04. JR. BLACK – Muito Além do Cenozóico (3:02)
05. HOLGER (SP) – The Auction (4:53)
06. NANCY (DF) – Keep Cooler (2:39)
07. STELA CAMPOS (SP) – Brand New Robots (3:27)
08. A BANDA DE JOSEPH TOURTON (PE) – #3 (4:02)
09. O GARFO (CE) – Alpa Tino (4:08)
10. THE KEITH (PE) – Even God is a Junkie (3:24)
11. NUMISMATA (SP) – O Inferno e um Pouco Mais (2:39)
12. RÔMULO FRÓES (SP) – Para Fazer Sucesso (3:14)
13. NUDA (PE) – Maruimstad (3:23)
14. JULIANA R. (SP) – El Hueco (2:25)
15. THIAGO PETHIT (SP) – Birdhouse (2:58)
16. GLAUCO E O TREM (PE) – Nau Frágil (3:40)
17. PATA DE ELEFANTE (RS) – Um Olho no Fosforo, Outro na Fagulha (4:12)
18. JÚLIA SAYS (PE) – Menos é Mais (2:52)
19. THE NAME (SP) – Come Out Tonite (Assonance Dub Mix) (3:42)
20. MICKEY GANG (ES) – I Was Born in the 90’s (Naji Nahas Footloose Remix) (5:44)

POCILGA DELUXE – “Paris é uma festa”

“Música tão passional, nervosa e emotiva quanto o cara que ficou em Recife e viu seu amor se mandar de mala e cuia para Paris.” (André Balaio – Vocal)

» http://www.myspace.com/pocilgadeluxe

RETROFOGUETES – “Vênus Cassino”

“Vênus Cassino é a composição de abertura do disco Chachachá e apresenta influências dos filmes policiais dos anos 70 como Dirty Harry, Bullit e Baretta. A sonoridade é uma mescla de Jazz, Funk e Soul, com bastante percussão, baixo, bateria e guitarra. A idéia é funcionar como uma trilha para filmes de perseguição de carro.” (CH – Baixo)

» http://www.myspace.com/retrofoguetes

BINÁRIO – “Funeral”

“Funeral é uma música minha e com letra em pseudo alemão de Bernardo Palmeira. É a faixa que abre o disco gringo do Binario da Far Out Recordings. Tem inspiração direta no disco ‘God In Three Persons’ do The Residents e já foi a abertura de nossos shows em diversas ocasiões.” (Eduardo Manso – Guitarra)

» http://www.myspace.com/binario

JR. BLACK – “Muito além do cenozóico”

“Break beat sobre a eternização da humanidade e a condição humana, tanto para os anônimos desprezíveis como para os pop-stars póstumos.” (Jr. Black – Vocal)

» http://www.myspace.com/jrblack76

HOLGER – “The Auction”

“Sabe quando bate uma vontade de paquerar? Acho que é sobre isso mais ou menos a música…” (Bernardo Rolla – Voz / Guitarra)

» http://www.myspace.com/myholger

NANCY – “Keep cooler”

“‘Keep Cooler’ é tipo Prince pra quem gosta de MF Doom” (Praxis – Guitarra)

» http://www.myspace.com/lixorama

STELA CAMPOS – “Brand New Robots”

“É a faixa mais antiga de ‘Mustang Bar’. Foi tocada regularmente durante os shows de ‘Hotel Continental’, que já tinha o Clayton Martin na guitarra. Saiu de primeira e Missionário José (baixo-guitarra) captou telepaticamente o interlúdio dub. A letra é vagamente inspirada no filme ‘Eu, Minha Mulher e Minhas Cópias’.” (Stela Campos – Vocal / Guitarra)

» http://www.myspace.com/stelacampos

A BANDA DE JOSEPH TOURTON – “#3″

“#3 é, na verdade, uma reconstrução de #2. Ela foi a primeira musica que a gente deixou ensaiada. Foi gravada a partir de uma gravação aleatória de bateria, de um take só. E depois que a gente gravou tudo por cima dela, a gente tirou como fazia e refez nos ensaios. Depois gravamos #3 pra fazer o EP juntamente com #2. A gente ainda adicionou ‘Lembra o que?’ ao EP, que também é composta de apenas duas notas. As mesmas de #2 e #3!” (Diogo – Guitarra)

» http://www.myspace.com/josephtourton

O GARFO – “Alpa Tino”

“Até hoje O Garfo teve duas fases de criação. A primeira mais orgânica e direta – que preenche a maior parte do repertório. A segunda já se alinha com efeitos e novas possibilidades de arranjo além da organicidade de trio guitarra-baixo-bateria. Alpa Tino é o marco inicial desta última fase.” (Felipe – Baixo)

» http://www.myspace.com/ogarfo

THE KEITH – “Even god is a junkie”

“Foi a primeira música composta para o segundo EP da banda (Noiseless) e traz um pouco do estilo de compor que a banda tinha no primeiro trabalho registrado em 2007, com riffs rápidos e vocais mais rasgados, no que eu chamaria de Strokes + Nirvana.” (Tagore – Vocal / Guitarra)

» http://www.myspace.com/thekeithband

NUMISMATA – “O Inferno e Um Pouco Mais”

“É uma música que eu gosto bastante. Lembro que quando o André [Vilela, guitarrista da banda] mostrou essa faixa pra gente, ela já tinha uma pegada meio estranha, mas bem pop. Na hora de trabalhá-la em estúdio, nos nossos ensaios, ela foi adquirindo esse groove duro, bacana, essa cara meio Primal Scream e Fujiya and Miyagi misturados com Picassos Falsos. As participações são bacanas, também. Maria Alcina fazendo backing é inusitado por si só. Os sintetizadores de Kassin, com a sonoridade anos 70, eu acho que caíram como uma luva.” (Adalberto Rabelo Filho – Guitarra)

» http://www.myspace.com/numismata

RÔMULO FRÓES – “Para fazer sucesso”

“‘Para fazer sucesso’ é minha versão de ‘Essa é pra tocar no rádio’ do Gil. É uma canção pra reclamar e tentar entender porque que não vivo de música ainda.” (Rômulo Fróes – Vocal)

» http://www.myspace.com/romulofroes

NUDA – “Mariumstad”

“Rectrópolis é alvo de uma homenagem às avessas nas palavras cáusticas de ‘Maruimstad’. Cabem na acidez da canção estatísticas da criminalidade, obras faraônicas e as ‘mãos invisíveis’ da vaidade e da estupidez política. Mas nunca coube nem caberá o eterno descaso à miséria do ser humano.” (Raphael – Voz / Guitarra)

» http://www.myspace.com/sitionuda

JULIANA R. – “El hueco”

“A música surgiu quase como uma brincadeira com as palavras. Sendo a mais dançante e animada, com latinos acentos de mariachi, é a única que escrevi em espanhol. A escolha da língua tem a ver com o áudio de Julio Cortázar e com um livro do Ernesto Sábato.” (Juliana R – Vocal)

» http://www.myspace.com/juerre

THIAGO PETHIT – “Birdhouse”

“Birdhouse é sem dúvida, a minha música mais confessional. Foi a minha primeira música composta tocando violão e acho que isso me permitiu criar com muita intimidade, tanto a letra quanto a sonoridade. Acho que é uma canção que resume bem o meu trabalho: é meio folk, é meio valsa, é bastante íntima, mas soa como se estivesse em um campo aberto.” (Thiago Pethit – Vocal)

» http://www.myspace.com/lepethitprince

GLAUCO E O TREM – “Nau frágil”

“A música Nau Frágil foi composta em um momento de revolta do compositor quanto à mídia e ao caminho árduo do artista em busca do espaço. No refrão surge a frase: (’Por isso eu parei de compor…’) Reclamando uma falta de inspiração causada pela falta de retorno quanto ao trabalho feito. (’Depois de tanto trabalho os louros do ‘fracasso’ recebi de braços castros…’) mas ao mesmo tempo essa indignação e falta de inspiração foi a própria inspiração para o surgimento da canção-resposta. O compositor explica que parou de compor, mas explica em forma de composição. E fica assim subentendido que o problema é a própria solução.” (Glauco – Vocal / Teclado)

» http://www.myspace.com/glaucoeotrem

PATA DE ELEFANTE – “Um olho no fósforo, outro na fagulha”

“Faixa que dá nome ao segundo CD da Pata de Elefante, a canção é uma homenagem a Ray Charles. Com uma maldosa levada country, melodia conduzida por intrumentos de sopro (vale lembrar que Ray Charles era um excelente saxofonista), pedal steel (instrumento muito utilizado na música country) e piano no estilo do homenageado, é difícil não sacolejar o esqueleto ao ouvi-la – ou, pelo menos, bater o pezinho.” (Gustavo Telles – Bateria)

» http://www.myspace.com/bandapatadeelefante

JÚLIA SAYS – “Menos é mais”

“Menos é Mais traduz nosso modo de tocar e pensar, buscar sempre mais e extrair beleza das coisas simples.” (Pauliño Nunes – Vocal / Guitarra / Programações)

» http://www.myspace.com/juliadisse

THE NAME – “Come out tonite” (Assonance Dub Mix)

“‘Come Out Tonite’ é como um hino pra gente. Acabou sendo o carro-chefe de ‘Assonance’ e o curioso é que gravamos inicialmente 5 músicas que iriam compor o EP e jogamos 4 delas fora, apenas ela ficou!” (Andy – Vocal / Guitarra)

» http://www.myspace.com/thenamemusik

MICKEY GANG – “I was born in the 90’s” (Naji Nahas Footloose Remix)

“Esta música é meio uma ironia da gente mesmo. O nosso problema não é com os anos 80, bem pelo contrário… o que foi o Human League? E o A-Ha? Chato mesmo é o pessoal achando que o mundo acabou nos anos 80 e ficar nessa mágoa de revival. E pior ainda gente assim da nossa idade chorando que nasceu na época errada. Então jogue a primeira pedra o garoto que nunca ficou horas tentando salvar a princesinha do Mario e a garota que nunca fez cover de Spice Girls na escola”. (Arthur – Vocal / Teclado)

» http://www.myspace.com/mickeygang

One comment so far

  1. Tá muito legal a coletanea, parabéns galera!